Vitamina D é essencial para os jovens

Vitamina D é essencial para os jovens


 
 
 

Pena que ela ande em falta entre nossos adolescentes, como revela uma pesquisa capitaneada por duas grandes universidades brasileiras. Essa deficiência pode comprometer o desenvolvimento da moçada e favorecer inúmeras doenças. Felizmente, dá para reverter a situação. Saiba o que é preciso fazer

por LIA SCHEFFER
fotos OMAR PAIXÃO



Um banho de sol vale muito mais do que um belo bronzeado. Os raios do astro rei também garantem a dose certa de vitamina D, substância fundamental para o crescimento do esqueleto, sobretudo na adolescência. Mas um trabalho da Universidade de São Paulo em parceria com a Universidade Federal de São Paulo alerta: os níveis dessa vitamina estão aquém do desejável nos adolescentes. No estudo, que foi finalista do IV Prêmio SAÚDE!, a nutricionista Bárbara Peters, da USP, e seus colegas da Unifesp Lígia Martini e Mauro Fisberg analisaram as taxas do nutriente em um grupo de 136 jovens de Indaiatuba, no interior paulista.




Com idade entre 12 e 18 anos, todos os voluntários teens estavam com a saúde em dia. Mas no quesito vitamina D os resultados foram preocupantes: 62% dos avaliados apresentaram níveis baixos do nutriente, uma incidência espantosamente alta para um país ensolarado como o Brasil. “Talvez essa carência se justifique porque as pessoas adotaram hábitos que diminuem seu tempo ao ar livre”, especula Lígia Martini. E com a moçada não é diferente. Em uma era em que a diversão muitas vezes se resume ao bate-papo na internet e aos jogos de videogame, milhares de jovens preferem a comodidade do quarto a uma aventura a céu aberto.

IMPRESCINDÍVEL PARA OS JOVENS


“A vitamina D é importantíssima na adolescência, época em que há um maior desenvolvimento ósseo”, afirma Bárbara Peters. É aí que ocorre o chamado estirão, período que define a estatura de um indivíduo. Isso só é possível porque a tal da vitamina retém e armazena cálcio e fósforo no sangue. Ela atua no intestino, onde regula a absorção daqueles minerais (veja o infográfico na página seguinte). Assim, o corpo não precisa buscá-los nos ossos, poupando o esqueleto e mantendo-o sempre forte.


A vitamina D ainda dá um reforço ao sistema imune, participando da produção de proteínas antibacterianas. Sem contar que estimula o pâncreas a fabricar insulina, cuja missão é botar o açúcar para dentro das células. Isso garante o controle da glicose e, de quebra, mantém longe o diabete, que, sim, está aparecendo cada vez mais na juventude. Sem contar que o nutriente desempenha um papel nobre nos rins. Lá, inibe a ação de uma enzima conhecida como renina, que está envolvida na secreção de um hormônio capaz de levar a pressão arterial para as alturas.


A receita para a garotada desfrutar de toda essa blindagem proporcionada pela vitamina D é simples e gratuita: são necessários apenas alguns minutos de exposição ao sol (veja o quadro à esquerda). Mas você, pai ou mãe, com certeza deve se questionar: os raios solares são acusados de favorecer males como o câncer de pele, certo? Certíssimo. Mas, para prevenir essa ameaça, basta incentivar seu filho a se valer do protetor solar. “O uso do produto não impede a síntese do nutriente”, garante o dermatologista Marcus Maia, da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, vencedor do Prêmio SAÚDE! em 2008.


O fato é que não existem muitas alternativas ao sol quando o assunto é vitamina D. Alguns alimentos até fornecem pitadas da substância, caso de peixes como salmão e sardinha. Em meados de 1930, alguns países europeus começaram a fortificar pães, manteiga e afins com o nutriente. Essa medida foi tão eficaz que deu um fim ao raquitismo, carência da vitamina que provoca uma mineralização insuficiente dos ossos. O problema é que, passado algum tempo, o processo de suplementação deixou de ser monitorado e uma quantidade excessiva da vitamina foi acrescida ao leite, deflagrando casos de intoxicação em adolescentes. Resultado: a fortificação ficou meio de escanteio em quase todo o mundo, inclusive no Brasil.




De qualquer forma, rechear o cardápio da garotada com as parcas fontes da vitamina D disponíveis nas gôndolas dos supermercados não deixa de ser uma boa pedida — alguns especialistas acreditam que 10% do valor diário recomendado de ingestão da vitamina, algo em torno de 1,5 micrograma ou três copos de 250 mililitros de leite integral, seja obtido por meio da alimentação. Tudo para que o futuro da saúde do seu filho seja ensolarado. Comer para crescer Incentive seu filho a fazer a primeira refeição do dia sem pressa. É nela, aliás, que ele pode consumir grande parte dos alimentos que fornecem doses de vitamina D, em especial o leite. “O ideal seria tomar a bebida não apenas no café da manhã mas também naqueles lanchinhos entre uma refeição e outra”, diz Elaine Martins Bento, presidente da Associação Paulista de Nutrição. Só para ter uma ideia, a galera que faz o desjejum diariamente ingere quase o dobro de vitamina D de quem acorda e sai de casa de barriga quase vazia.


Alimento (100 g) Vitamina d (em mcg)
salmão 7
sardinha 4,5
atum 3,5
gema de ovo* 0,9
leite integral** 0,5
*1 unidade ** 250 ml

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 =
disponivel em

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: