Carta Objeto Dignidade. Melhor prevenir do que remediar.

em julho de 2011 disponivel:

http://objetodignidade.blogspot.com/2011/07/carta-objeto-dignidade-melhor-prevenir.html

 
Cristiane Rozicki
 
  
Danos à saúde podem ser evitados.
 
 
A carta Objeto Dignidade
 
Obter o Respeito À Dignidade: Vida e Saúde.
MELHOR PREVENIR DO QUE REMEDIAR, danos à saúde podem ser evitados.
 
 
A carta Objeto Dignidade foi escrita em dezembro de 2005. Esta missiva é relativa à doença neurodegenerativa esclerose múltipla [EM ou MS]. Objeto Dignidade constituiu documento entregue à Defensoria Pública da União – Núcleo de Florianópolis através do Correio, e ao Ministério Público de Santa Catarina por correspondência eletrônica.
 
Hoje, somos 4 consangüíneos portadores de doenças auto-imunes e neurodegenerativas: mal de parkinson – 1 caso, mal de alzheimer – 1 caso, e esclerose múltipla – 2 casos.
 
A mensagem original, “Objeto Dignidade” que tem a intenção de obter o respeito à Dignidade: vida e saúde, de 29/12/2005, está disponível em:
 
 
E, agora, também disponivel em
 
 
 
São José, 17 de julho de 2009.
 
Cristiane Rozicki
—-
 
Recebe:
DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO  
Coronel Lopes Vieira, 114  
Centro
Florianópolis – SC
CEP.: 88015-260
——————————————————–
Remete:
CRISTIANE ROZICKI
SÃO JOSÉ – SC
CEP: 88000
OBJETO:
Efetivo respeito à vida humana e sua Dignidade. Cumprimento dos direitos e garantias fundamentais da Constituição da República Federativa do Brasil, desde o art. 1o, incisos II e III, art. 5o e art.6o.
Constituição da República Federativa do Brasil
Art. 197.  São de Relevância pública as ações e serviços  de  saúde,  cabendo ao Poder Público dispor, nos termos da lei, sobre sua regulamentação, fiscalização e controle, devendo sua execução ser feita diretamente ou através de terceiros e, também, por pessoa física ou jurídica de direito privado.
 
Declaração Universal dos Direitos do Homem. ________________________________________
ARTIGO III – Todo o indivíduo tem direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal (…).
ARTIGO XXV – Todo homem tem direito a um padrão de vida capaz de assegurar a si e a sua família, saúde e bem-estar.
Constituição da República Federativa do Brasil
________________________________________
O art. 1o da Lei Suprema, diz: “A República Federativa do Brasil (…) constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos:
Inc. II do art. 3o –  
a cidadania;  
Inc. III, art. 3o –  
a dignidade da pessoa humana;  
TÍTULO II – DOS DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS
CAPÍTULO I – Dos Direitos e Deveres Individuais e Coletivos
Art. 5º – Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade (…).
Art. 6o – São direitos sociais a educação, a saúde, o trabalho, a moradia, o lazer, a segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e à infância, a assistência aos desamparados, na forma desta Constituição.
 
TÍTULO VIII – DA ORDEM SOCIAL
Capítulo II – DA SEGURIDADE SOCIAL – Seção II – DA SAÚDE
Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação.
DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
Art. 37. A administração pública direta, indireta ou fundacional, de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade (…).
 
SUS – LEI Nº 8080 DE 19/09/90
________________________________________
ART. 2º – A saúde é um direito fundamental do ser humano, devendo o Estado prover as condições indispensáveis ao seu pleno exercício.
ART. 3º – A saúde tem como fatores determinantes e condicionantes, entre outros, a alimentação, a moradia, o saneamento básico, o meio ambiente, o trabalho, a renda, a educação, o transporte, o lazer e o acesso aos bens e serviços essenciais; os níveis de saúde da população expressam a organização social e econômica do País.
ART. 3o, Parágrafo Único – Dizem respeito também à saúde as ações que, por força do disposto no artigo anterior, se destinam a garantir às pessoas e à coletividade condições de bem-estar físico, mental e social.
ART. 6º – Estão incluídas ainda no campo de atuação do Sistema Único de Saúde (SUS):
I – a execução de ações:
(d) de assistência terapêutica integral, inclusive farmacêutica
IV – a vigilância nutricional e a orientação alimentar.
VI – a formulação da política de medicamentos, equipamentos, imunobiológicos e outros insumos de interesse para a saúde e a participação na sua produção;
ART. 7º – As ações e serviços públicos de saúde e os serviços privados contratados ou conveniados que integram o Sistema Único de Saúde (SUS), são desenvolvidos de acordo com as diretrizes previstas no art. 198 da Constituição Federal, obedecendo ainda aos seguintes princípios:
I – universalidade de acesso aos serviços de saúde em todos os níveis de assistência;
ART. 19-I – SÃO ESTABELECIDOS, NO ÂMBITO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE, O ATENDIMENTO DOMICILIAR E A INTERNAÇÃO DOMICILIAR.
§ 1º Na modalidade de assistência de atendimento e internação domiciliares incluem-se, principalmente, os procedimentos médicos, de enfermagem, fisioterapêuticos, psicológicos e de assistência social, entre outros necessários ao cuidado integral dos pacientes em seu domicílio.
________________________________________
2a Vara da Fazenda Pública de Florianópolis à Decisão do TJ/SC
Ação Cautelar Inominada (autos nº 023.02.013505-2), que foi distribuída à 2ª Vara da Fazenda Pública de Florianópolis. O juiz da 2ª Vara da Fazenda Pública de Florianópolis, Robson Luz Varella, deferiu liminar:
“(…) DEFIRO O PEDIDO LIMINAR. A recusa ao direito da autora ‘in casu’, implicaria pôr em risco o direito à vida, fato que se sobrepõe a qualquer outro. Assim já manifestou-se a 1a. Turma do Superior Tribunal de Justiça (Resp no. 127.604 – Estado do Rio Grande do Sul, julgado em 18.12.97, relator o Ministro GARCIA VIEIRA, DJU de 16.3.98, p.43).
O direito perseguido, direito à vida, supera qualquer outra questão de ordem legal, especialmente na órbita infraconstitucional, haja vista que presente, na espécie, o “periculum in mora”. Situações como a presente enfocam a problemática de não poder o juízo monocrático, à luz da Lei no. 8.437, DE 30 DE JUNHO DE 1992, deferir tutela antecipada contra a Fazenda Pública que resulte no esgotamento no todo ou em parte não podem os requeridos brandir como exceção a Lei no. 8.437, DE 30 DE JUNHO DE 1992.
Assim, afasto, aliás entendimento moderno do STJ, a aplicabilidade de tal provimento legislativo ao caso concreto. Poder-se-ia concluir estar o Município ao abrigo do melhor direito. Porém, as regras acerca da proibição de se antecipar os efeitos do pedido perante a Fazenda Pública merecem ser interpretados à luz da Constituição Federal. Com efeito, não se está negando a vigência às normas legais que vedam a antecipação liminar, segundo o disposto no art. 1º, da Lei no. 8.437, DE 30 JUNHO DE 1992, que disciplina a aplicação das medidas liminares contra a Fazenda Pública, dispositivo entendido como constitucional pelo Pleno do STF, com os efeitos daí decorrentes, tampouco em relação à disposição do art. 475, I, do CPC, no sentido de não possuir eficácia a decisão desfavorável até sua confirmação pelo Tribunal.  
Entende-se, no caso concreto, deva ser tutelado o direito à vida e à saúde, insculpido no art. 196 da Constituição Federal, prevalecendo estes (…)”.
Desembargador Nilton Macedo Machado, ao analisar a questão, asseverou o seguinte entendimento:
“(…) o caso em exame amolda-se perfeitamente à hipótese de providência médica urgente (…)” e que era “(…) imprescindível interpretar a lei de forma mais humana, teleológica, em que princípios de ordem ético-jurídica conduzam ao único desfecho justo: decidir pela preservação da vida (…). Não se pode apegar, de forma rígida, à letra fria da lei, e sim, considerá-la com temperamentos, tendo-se em vista a intenção do legislador, mormente perante preceitos maiores insculpidos na Carta Magna garantidores do direito à saúde, à vida e à dignidade humana, devendo-se ressaltar o entendimento das necessidades básicas dos cidadãos” (ROMS 11183/PR. Rel. Min. José Delgado, DJ 04/09/00).  
________________________________________
 
Eu, CRISTIANE ROZICKI, Carteira de Identidade n. 1023725292 e Cadastro de Pessoas Físicas: n. xxx, portadora de esclerose múltipla, residente xxx, em São Jose/SC, venho, por meio desta, apresentar as razões urgentes que tornam os pedidos o imperativo da presente. Haja vista a urgência e a necessidade de permanência, por tempo indeterminado, de cuidados multiprofissionais e de nutrientes (suplementos), médicos, dentista, fonoaudiólogos, fisioterapeutas, psicólogos, entre outros que se fazem imprescindíveis e que vierem a ser cogentes.
– – –
Desde o dia 02 de outubro de 2004 resido na referida casa (endereço supra mencionado), graças a ajuda de várias pessoas, pois não disponho de rendas.
– – –
Não disponho de rendas, o que sequer pode permitir a mínima subsistência. Condição que não garante o alcance às terapias multiprofissionais necessárias à manutenção e melhora de minha saúde.
– – –
Por isso, como cidadã brasileira, venho, por meio desta carta, solicitar auxílio jurídico e representação para obter o respeito à Dignidade e à vida, e para conseguir as terapias multiprofissionais e suplementares necessárias à minha saúde. Para tanto, trago a Vossas Excelências as informações que seguem.
Sumário: – 1. CRISTIANE E O RESULTADO DA ESCLEROSE MÚLTIPLA. – 1.1. A autora é portadora de esclerose múltipla (e.m.). – 1. 2. Condições reais de existência. – 1.3. Estado físico atual da autora. – 2. A FALTA DE MOBILIDADE E CONSEQÜÊNCIAS. – 3. A ESCLEROSE MÚLTIPLA (E.M.). – 3.1. Esclerose Múltipla por Karla Adryana Diniz Meireles. 3. 2. Esclerose Múltipla – Brazilian Committe For Treatment And Research In Multiple Sclerosis. – 4. TRATAMENTO DA ESCLEROSE MÚLTIPLA. – 5. SUPLEMENTOS ALIMENTARES
 
 
1. CRISTIANE E O RESULTADO DA ESCLEROSE MÚLTIPLA.
1.1. A autora é portadora de esclerose múltipla (e.m.).
–         A autora da presente, CRISTIANE ROZICKI, brasileira, solteira, 39 anos (data de nascimento: 09/nov/1966), Mestre em Direito, plenamente capaz e em total exercício das capacidades civis, é PORTADORA DE DOENÇA NEUROLÓGICA há 25 anos, portadora de esclerose múltipla (EM), com lesões no sistema nervoso central, sendo que suas lesões estão presentes nos dois hemisférios do encéfalo.
–         A evolução da desmielinização exerce, no mínimo, duas fortes pressões a favor da antecipação da morte, notadamente sobre os aspectos físico, social e emocional. Estas lesões à saúde de uma pessoa física, são efetivamente aumentadas com o desprezo às necessidades reais que sua vida exige.
–         Deve-se observar que:
“A possibilidade de apresentar Esclerose Múltipla é maior para os que têm um parente  próximo comprometido pela doença. Esta predisposição não está ligada a uma transmissão genética da doença. Ela significa a herança de um determinado tipo de reação imunitária ao agente patológico.” – Dra. Karla Adryana Diniz Meireles
– Na família da autora, xxx, mãe de Cristiane Rozicki, é portadora de esclerose múltipla há mais de 42 anos. O avô paterno de Cristiane Rozicki, Boneslau Stanislau Rozicki, falecido, foi portador de outra doença degenerativa: o mal de Parkinson. xxx é aposentada por doença, vive, reside xxx, e mal pode suprir financeiramente todas as suas próprias necessidades vitais.
 
1. 2. Condições reais de existência.
– Cristiane Rozicki, 25 anos portadora de esclerose múltipla, apresentando todos os sinais desta moléstia no curso progressivo da patologia da E.M., tem tetraparesia, os quatro membros, superiores e inferiores, afetados.
– Além disso, outros músculos, em função das lesões ao sistema nervoso central (SNC), têm sua atividade normal afetada. Um exemplo disso é a incontinência urinária (bexiga e esfíncter são músculos) e a língua que articula o ar para dar compreensão aos sons da fala.
– Ainda, afetada por lesão neurológica foi a visão, nos dois olhos.
– O deslocamento físico, quando necessário, é feito em cadeira-de-rodas e com auxílio de outras pessoas.
– O deslocamento é oneroso à força física que a autora tem a sua disposição. O desgaste, que é físico e emocional, não é recuperado rapidamente. Para o deslocamento, é exigido do corpo um esforço que, em pouco tempo, é capaz de levar a pessoa à exaustão.
– A fadiga, traço característico da esclerose múltipla, é incapacitante e permanente, consumindo a energia da vitalidade. Esta energia, que todas as pessoas humanas têm à disposição, quando consumida em maior grau e intensidade num portador de esclerose múltipla, termina impedindo qualquer atividade banal da vida normal como, por exemplo, segurar com as duas mãos uma caneca de água e levá-la até a boca ou, ainda, outro exemplo, falar com facilidade e  desenvoltura.
– Portadora de esclerose múltipla, foi aos 33 anos que o mal atingiu um grau insuportável de evolução.
– Aos 33 anos, passado o inverno de 1999, foi perdida a capacidade que permitia desdobrar, ainda que com dificuldade, as pernas.
– Em 1999 as contrações musculares aumentaram em número de vezes, passando a contínuas (parecidas com cãimbras) e muito dolorosas.  Espasticidade e rigidez permanentes. Nesse estado de descontrole e desconforto físico, e contrações musculares continuadas, o corpo passou a se lançar para fora da cadeira. Hoje este movimento involuntário do corpo ainda acontece, com menos violência, mas existe, fruto da espasticidade.
– A autora não consegue realizar deambulação, tampouco consegue sentar-se.
– Faz-se necessária a companhia permanente de alguém para auxiliar. Assim, do mesmo modo, é preciso, obrigatoriamente, a transferência com auxílio de duas pessoas da cama para a cadeira, por exemplo.
1.3. Estado físico atual da autora
– O estado físico do corpo mal pode permitir ficar na postura sentada. Todas as pessoas que acompanham o cotidiano conhecem os detalhes da dificuldade de assumir a postura sentada.
– Com tetraparesia, os quatro membros com perda de atividade motora, corpo tetraespástico, a coluna, braços e pernas, e também o diafragma (o músculo que permite a respiração), sofrem contrações musculares involuntárias. Não existe movimento voluntário nos músculos da coluna. Ademais, acompanham este quadro a deficiência respiratória (por causa do diafragma), a fadiga, a deficiência visual resultado da esclerose múltipla e a dificuldade para falar. Estes são alguns dos traços da esclerose múltipla. Doença grave, progressiva, degenerativa do sistema nervoso central (SNC), a esclerose múltipla – e.m., é mal neurológico confirmado em pesquisa realizada no Hospital de Clínicas de Porto Alegre, no ano de 2000, prontuário no Hospital de Clínicas de Porto Alegre – HCPA, número: 036889/4 – Serviço de Genética Médica, e em diagnóstico médico de Sérgio Haussen, neurologista em Porto Alegre/RS.
– Todo o corpo está lesionado. E está atrofiada a musculatura. O corpo atrofiado é perceptível por qualquer olhar, está com acentuado deslocamento de quadril – o que levou a perna esquerda para frente e encolheu a direita -, levando para lateral esquerda coluna e braço. Qualquer pessoa pode detectar um corpo deformado. Basta olhar.
– Desde o segundo semestre de 1999 as pernas não desdobram a articulação dos joelhos, o que impede o corpo assumir uma postura ortostática, erguer o corpo, ficar em pé. Já há artrose e também osteopenia, esta é a perda de massa óssea.
– A osteopenia foi verificada em RX, laudo médico em 03 de maio de 2004.
– Para transferência do corpo da cama para a cadeira e vice-versa são necessárias 2 (duas) pessoas.
– A fisioterapia 2 vezes por semana xxx, não é suficiente.  E a autora não dispõe de recursos financeiros para completar as terapias de que necessita contínuas e urgentes.
2. A FALTA DE MOBILIDADE E CONSEQÜÊNCIAS
O tratamento humano não pode desprezar nada de tudo o que faz e integra um homem. Merece cuidados todos os aspectos de vida de um homem, tanto individualmente considerado como também no plano de vida coletiva, que traduz participação, convivência, e comunicação social.
A falta de mobilidade limita a perspectiva de vida e altera a saúde do corpo humano. Deixá-lo a própria sorte é condená-lo irremediavelmente à antecipação da morte.
Observa-se que as incapacidades sensoriais e motoras, além do DESGASTE EMOCIONAL, que é intenso e constante, levam a situações tais como:
– redução da capacidade respiratória, diminuindo a oxigenação do sangue;
– alteração da atividade cardíaca e da  circulação sanguínea;
– prejuízo do sistema renal e urinário, bem como do movimento duodenal e intestinal;
–         atrofias musculares, e ósseas.
“Sabemos que o ser humano é desenhado para ser móvel, principalmente porque 40% do nosso organismo é composto de músculos esqueléticos. Além do mais somos dependentes da atividade física para que haja a manutenção deste sistema músculo-esquelético e para a melhor função de nossos órgãos internos. Sabemos, por exemplo, que a reabsorção óssea é feita através dos estímulos de pressão e tração que este segmento recebe ao longo do dia onde nos locomovemos e pressionamos as estruturas. Outros exemplos da falta de atividade física são insuficiência cardíaca, deterioração articular, condições tromboembólicas, estase gastrointestinal e estase urinária.”
“No sistema músculo-esquelético: a) Hipotrofia, atrofia muscular e descondicionamento; b)  Contraturas; c) Osteoporose e osteopenia; d) Deterioração articular; e) Ossificação heterotrópica; f) Osteomielite; g) Deformidades”
Autor: Patrícia Vieira Fernandes – Fisioterapeuta do Hospital Barra D’ Or, graduada pela UFPE e Pós-graduanda em Terapia Intensiva pela UNESA
Disponível em:
Indisposições do Sistema Nervoso Central exigem a permanência de CUIDADOS ESPECIAIS apropriados para cada quadro de diagnóstico e sintomatologia, para a conservação da vida e saúde das pessoas, manutenção e melhora da qualidade de vida das mesmas.
3. A ESCLEROSE MÚLTIPLA (E.M.)
3.1. Esclerose Múltipla por Karla Adryana Diniz Meireles:
“Descrita em 1860 pelo francês Jean Charcot, a Esclerose Múltipla é uma doença desmielinizante crônica que ataca substância branca do SNC, caracterizada por lesões disseminadas e múltiplos sintomas. Apesar de amplamente disseminada, há certas áreas de predileção, como as áreas periventriculares do cérebro, pedúnculos cerebelares, tronco cerebral e medula espinhal.”
“Embora a causa seja desconhecida, evidências científicas existentes indicam hipótese de causa auto imune com predisposição genética com intervenção de fatores exógenos ou agentes virais (um agente ambiental que exerce sua ação na infância). No entanto, pode-se afirmar que a Esclerose Múltipla não é hereditária no sentido clássico do termo e em nenhum momento contagiosa.”
“Como toda doença crônica, provoca sentimentos de angústia, culpa, revolta, depressão e perda da auto-estima que associados às dificuldades provenientes impostas, deteriora a qualidade de vida de seus portadores.”
“Usualmente o diagnóstico baseia-se nos achados clínicos, considerados os múltiplos sinais de disfunãão neurológica ocorrentes ao longo da evolução. São testes laboratoriais adicionais, que dão apoio ao diagnóstico: punção lombar, tomografia computadorizada, testes eletrofisiológicos e alterações hematológicas entre outros.”
“A Esclerose Múltipla é uma doença imprevisível, tipicamente apresenta-se com um curso de exacerbações e remissões, embora tenha sido identificados outros cursos clínicos. Os achados clínicos comuns são: distúrbios sensitivos, força muscular, tônus, fadiga coordenação, visão, linguagem, funções urinárias e intestinais, funções cognitivas e comportamentais. Numerosos problemas secundários podem surgir por causa da inatividade prolongada. Fatores exacerbantes na Esclerose Múltipla são: calor, estress ou traumatismos. O prognóstico é variável, embora a maioria dos pacientes viva, em média, 25 anos com a doença.”
REABILITAÇÃO
“A reabilitação do paciente com Esclerose Múltipla centra-se na reeducação da motricidade, melhoramento da função, prevenções de complicações secundárias e promoção de ajustamento psicológico bem sucedidos. Esta exige esforços abrangentes de uma equipe de saúde, para que seja propiciado um acompanhamento coordenado e contínuo.”
“A deambulação é uma meta funcional primária para muitos pacientes com Esclerose Múltipla, exigindo que os fisioterapeutas sejam capazes de identificar problemas que limitem ou impeçam a deambulação, que determine suas causas, e que planejem a intervenção terapêutica apropriada.”
“Resgatar a qualidade de vida, manter a capacidade produtiva é a difícil tarefa do fisioterapeuta para com o portador de Esclerose Múltipla.”
ANATOMIA PATOLÓGICA
“A E.M. leva ao ataque da bainha de mielina que encapa os nervos, dificultando a condução do estímulo nervoso). A doença que inicia no adulto jovem seria determinada na infância.”
“Cada uma das lesões elementares constitui um foco de desmielinização, este foco surge, na superfície da medula ou na superfície dos cortes no SNC, como uma área cinzenta e opaca sobre a substância branca: são as placas.”
“As placas, disseminadas ao acaso, são sempre mais numerosas do que o quadro clínico faz suspeitar, devido o tamanho da placa e o local lesionado não apresentar sintomas na medula instalam-se, de forma simétrica ou não, nos cordões posteriores ou nos feixes ântero-laterais. No encéfalo têm  uma predileção pelas regiões periventriculares, mas se encontram também no centro oval, na substância branca das circunvoluções cerebelares. As lesões limitam-se à mielina do sistema nervoso central; os nervos periféricos são sempre  poupados; a presença  de placas nas vias ópticas não contradiz esta regra, já que estas estruturas têm uma mielinização do tipo central.”
“As placas apresentam dimensões variáveis, seus limites são nítidos. Respeitam o córtex, a substância cinzenta do tronco cerebral e da medula. Mesmo que um foco de desmielinização pareça atingir estas estruturas, são comprometidas somente as bainhas de mielina, e os neurônios ficam intactos. Cada foco de desmielinização evolui de forma independente.”
INCIDÊNCIA EPIDEMIOLOGIA
“A literatura científica internacional mostra que a Esclerose Múltipla é mais freqüente entre populações localizadas nas zonas temperadas da terra. Nas áreas mais próximas ao Equador, segundo estatística, há menor número de casos de Esclerose Múltipla.”
“No Brasil, presume-se que a incidência é baixa: 4,4 casos por 100 mil habitantes.”
CUIDADOS
“Cuidados especiais devem ser administrados, a fim de identificar complicações como deformidades, atrofias, contraturas, perda de movimentos conscientes e de privação sensorial, os quais ocorrem na Esclerose Múltipla simplesmente por falta de uso.”
“Os principais déficit de controle motor, causando anormalidades de postura, equilíbrio, tono muscular e coordenação do movimento, irão requerer redirecionamento através de programas fisioterápicos.”
“A orientação deve ser feita e planejada numa base a longo prazo mais que a curto prazo, pois a recuperação da incapacidade instalada se faz gradativa e o estado emocional do paciente requer um tratamento mais prolongado.”
SINTOMAS
– “Sensibilidade, inclusive dor e parestesia.”
– “Tônus muscular e fatores que influenciam a qualidade do tônus, como  o posicionamento, estresse.”
– “Força muscular e o controle motor: se a espasticidade é grave, os tradicionais procedimentos de testes musculares serão inadequados, e a força deverá ser avaliada em termos de padrões de movimento funcionais e da disponibilidade dos movimentos seletivos; coordenação e equilíbrio; marcha; habilidades cognitivas; integridade e estado da pele; defeitos visuais: perda da visão, diplopia, nistagmo; estado emocional; fadiga; alteração na fala: disartria, disfagia; ataxia; perturbações cognitivas e comportamentais: ansiedade, agressão, negação…”
POSTURA: ALTERAÇÕES
Anormalidades posturais freqüentemente encontradas na avaliação e no decorrer do tratamento:
1. Flexão dos quadris unilateral ou bilateral, possivelmente devido à encurtamento do músculo  psoas.
2. Hiperlordose, devido ao encurtamento já mencionado e contraturas paravertebrais.
3. Ombros curvados para frente
4. Hiperextensão do joelho uni ou bilateral
5. Perda da rotação do tronco em movimento
6. Tornozelo em flexão plantar com o pé em inversão
7. EQUILÍBRIO, Perda de – “A manutenção do equilíbrio também se fundamenta no cálculo sensorial de proprioceptivos e receptores de pressão.”
8. PARESTESIAS – “Sensações subjetivas, sem qualquer sinal detectável ao exame neurológico, em que o paciente refere impressões vagas de adormecimento e de formigamento em partes do corpo, num ou mais membros ou tronco. São sintomas, por vezes desconfortáveis, (…)” que podem ser acompanhados de dor.
“A distribuição desordenada e o modo de evolução provocam o polimorfismo da Esclerose Múltipla, que desafia as descrições clínicas mais comuns. A multiplicidade das lesões (…)”.
9. REAÇÕES EMOCIONAIS COMUNS – “Culpa pode facilmente resultar do fato da incapacidade de realizar tarefas de forma perfeitas. Medo é uma reação inicial comum e compreensível: medo da dor ou incapacidade, relacionados com o desconhecimento da doença. Ressentimento é normal e pode ajudar no processo de ajustamento à condição crônica. Assim como em qualquer outra perda, o ressentimento normalmente regride com o tempo, dando lugar saudade, mas também à adaptação à perda. Perda da auto estima conduzindo a episódios de depressão.”
10. “Alterações cognitivas, alterações na capacidade de lembrar as coisas, em concentrar-se, resolver problemas e desenvolver diversas atividades mentais.”
“A Esclerose Múltipla é uma doença imprevisível, com ocorrência de sintomas ao longo de um período de muitos anos.”
“Os sintomas da Esclerose Múltipla se manifestam de diferentes formas, variam em caráter, intensidade e duração.”
“Os sintomas dependerão da localização das lesões, e os sintomas  precoce frequentemente demonstram o envolvimento dos feixes sensitivos, piramidais, cerebelares e visuais.”
“Sintomas de fadiga e fraqueza podem ocorrer sem sinais óbvios de incapacidade, induzindo familiares e amigos a esperar do indivíduo mais do que se sente capaz de fazer.”
“A debilidade afeta mais freqüentemente as pernas e pode produzir uma gama de disfunções, de leve fadiga até paraparesia.”
“A fadiga pode ser agravada não apenas pelo curso da Esclerose Múltipla propriamente, mas pela depressão, ingestão de alimentos pesados, elevação de temperatura. A depressão pode conduzir você ao afastamento de atividades recompensantes e conduzi-lo a escassos contatos sociais com amigos, levando-o a reduzir suas atividades físicas e seu bem estar.”
“As manifestações da Esclerose Múltipla podem variar de forma bem acentuada, pois qualquer queixa subjetiva ou sinais objetivos apresentados a seguir podem constituir a primeira expressão da enfermidade:”
1. Espasticidade;
2. Fadiga;
3. Parestesias, paresias;
4. Distúrbios da marcha;
5. Apraxia;
6. Incontinência, retenção urinária;
7. Dor facial, MMSSII e tronco.
8. Fraqueza,
9. Dor (músculo-esquelético);
10. Falta de equilíbrio, visão dupla, perda visual unilateral (neurite óptica).
11. Complicações respiratórias.”
“Na maioria destes sinais e sintomas a fisioterapia pode auxiliar, tanto em um caráter preventivo, como de manutenção.”
Esclerose Múltipla – Autora: Dra. Karla Adryana Diniz Meireles – Publicado na revista da UNESP
3. 2. Esclerose Múltipla – BRAZILIAN COMMITTE FOR TREATMENT AND RESEARCH IN MULTIPLE SCLEROSIS
O QUE É ESCLEROSE MÚLTIPLA
– “É uma doença neurológica inflamatória crônica que acomete mais freqüentemente adultos jovens entre os 20 e 40 anos. É mais comum em mulheres (proporção de 2 para 1).”
– “É mais comum em áreas de clima temperado. Tem alta prevalência na Grã-Bretanha, Escandinávia, norte dos Estados Unidos e Canadá.”
– “Acredita-se que a esclerose múltipla seja uma doença autoimune, a qual o próprio sistema imunológico do organismo ataca a mielina (desmielinização) do sistema nervoso central.”
– “Embora não seja herdada diretamente, a esclerose múltipla acomete pessoas geneticamente susceptíveis, as quais são aparentemente mais reativas a determinados estímulos ou agentes.”
DIAGNÓSTICO
“O diagnóstico é clínico, feito por um neurologista clínico, com base no histórico médico (queixas passadas e presentes), na avaliação dos sintomas percebidos e relatados pelo paciente, e na presença de sinais neurológicos detectados pelo neurologista (mas não necessariamente percebidos pelo paciente) durante o exame neurológico. Os exames solicitados pelo médico são úteis para confirmação do diagnóstico.”
SINTOMAS
“Virtualmente, qualquer problema neurológico tem sido descrito na EM, em pelo menos, relato de um caso.”
“Sintomas mais comuns: parestesias (dormências, formigamentos); fraqueza dos membros; dificuldade para caminhar; neurite óptica (turvação visual); visão dupla; incoordenação motora; desequilíbrio; tonturas; zumbido; vertigem; tremores; dor; distúrbios esfincterianos (alterações no controle da urina e fezes); fadiga.”
SINTOMAS MAIS RAROS:
“Demência (distúrbio mais grave da memória e do comportamento); afasia (dificuldade de se expressar ou de entender assuntos); convulsões; movimentos involuntários dos membros; cefaléia; dificuldade para engolir.”
4. TRATAMENTO DA ESCLEROSE MÚLTIPLA
O tratamento para assegurar a conservação da vida e saúde das pessoas, sempre para um estado melhor, objetivando a manutenção do estado de bem-estar, físico, mental, emocional, e social, requer a PERMANÊNCIA DE CUIDADOS ESPECIAIS, adequados a cada caso.
Embora a ação da indisposição física que abala o corpo humano, a ANTECIPAÇÃO DA MORTE advém de complicações pela falta de cuidados.
Na esclerose múltipla, apesar de a moléstia figurar entre as doenças sem cura, HÁ TERAPIAS INDISPENSÁVEIS para serem efetivadas permanentemente. Tal tratamento começa pela AÇÃO PREVENTIVA.
“Cuidados especiais devem ser administrados, a fim de identificar complicações como deformidades, atrofias, contraturas, perda de movimentos conscientes e de privação sensorial, os quais ocorrem na Esclerose Múltipla (…)”.
“Para (…) a implementação do regime de tratamento preventivo o mais cedo possível, promovendo assim um tratamento ativo de apoio”.
“Resgatar a qualidade de vida, manter a capacidade produtiva é a difícil tarefa (…)  para com o portador de Esclerose Múltipla”.
Esclerose Múltipla
por Karla Adryana Diniz Meireles
Para o tratamento e cuidado do portador de esclerose múltipla (E.M.) é imprescindível o acompanhamento permanente por equipe multiprofissional:
TRATAMENTO – BRAZILIAN COMMITTE FOR TREATMENT AND RESEARCH IN MULTIPLE SCLEROSIS
“O tratamento dos pacientes c/ EM habitualmente é realizado por equipe multiprofissional, integrada e com conhecimento sobre a doença.”
5. SUPLEMENTOS ALIMENTARES
Sítio canadense de e.m.
website of the registered charity: DIRECT-MS – Nutritional Factors and Multiple Sclerosis.
Fatores nutricionais e esclerose múltipla.
Nutritional Factors and Multiple Sclerosis
ASPECTO NUTRICIONAL: SUPLEMENTO ALIMENTAR
Sítio canadense de e.m. – Este é o website registrado: DIRIGIR-MS
Agora disponível:
Estratégias ” nutricionais para Controlar Esclerose ” Múltipla
folheto disponível: ” Proteja sua família de MS “
Previamente liberado: ” Leve Controle de Esclerose ” Múltipla.
Inovações Nutricionais avançadas, Inc. de Fallon, Nevada (o EUA) anunciou um programa para dar garrafas grátis de seu prêmio, CÁLCIO DE QUALIDADE ALTO / SUPLEMENTO DE MAGNÉSIO PARA AJUDAR AS PESSOAS COM SRA. O PRODUTO TEM NÍVEL RELATIVAMENTE ALTO DE VITAMINA D COMO PARTE DE UMA FORMULAÇÃO COMPLEXA PROJETOU PARA APERFEIÇOAR A ABSORÇÃO e utilização do cálcio e magnésio.
Você deve ser diagnosticado com ou deve estar sendo tratado para SRA. Eles receberam alguma avaliação positiva aparentemente de pessoas com MS […].
INTRODUÇÃO
Este website foi fixo até proveja informação segura, cientificamente baseada sobre a relação entre esclerose múltipla e fatores nutricionais.
 
Esclerose múltipla é uma doença autoimune em qual é sistema imune ataca e gradualmente destrói as envolturas de myelin que cobrem axons de nervo no sistema nervoso central. A perda de resultados de myelin em um miríade de inaptidões que lentamente acumulam com tempo. A causa de MS só é tratamentos de droga desconhecidos e atuais ligeiramente lento a progressão da doença.
Por muitos anos foi suspeitado que jogo de fatores nutricional um papel principal em MS com gorduras saturadas e ” comidas alérgicas ” que são os principais suspeitos. Infelizmente pouca pesquisa foi feita para seguir para cima tais hipóteses e atualmente o melhor nós podemos dizer é que nós não sabemos se fatores nutricionais forem envolvidos em MS ou não.
Ajudar respondem esta pergunta, um esforço de pesquisa de literatura extenso foi levado a cabo para determinar se o conceito de ser de fatores nutricional uma parte de causa de MS é razoável ou não. AS COMPOSIÇÕES E LIGAÇÕES NESTE LOCAL PROVÊEM OS RESULTADOS DESTE ESFORÇO DE PESQUISA QUE DETERMINOU CLARAMENTE REALMENTE MUITO BEM ISSO FATORES NUTRICIONAIS PODEM FAZER UM PAPEL SIGNIFICANTE EM COMEÇO DE MS E PROGRESSÃO. A MAIORIA DO IMPORTANTLY, SE APARECE AQUELA REVISÃO DE DIETA PODE SER UMA TERAPIA MUITO EFETIVA POR REDUZIR A VELOCIDADE OU PROGRESSÃO DE MS DE PARADA.
DIRIGIR-MS.
Em resumo, há que há muito evidência circunstancial que implica fatores nutricionais vários em MS e assim mudanças em dieta podem ser uma terapia muito que vale a pena por imprensar a progressão significativamente […].
[…] possa fazer escolhas informadas e seguras com respeito a entrada nutricional e seleção de comida. Os benefícios potenciais da pesquisa planejada para pessoas com MS são enormes.
DIRIGIR-MS
5119 Brockington Rd. NW
Calgary, AB, T2L 1R7,
Canadá
RETRATAÇÃO
Este website é planejado como um guia informador. As aproximações descreveram e sugeriram são pretendidas terapias complementar, não substitua, conselho médico profissional e tratamento. Não deveriam ser usadas as terapias que são discutidas para tratar uma doença séria sem consulta anterior com um profissional de saúde qualificado.
LEITURAS EM SUPLEMENTOS
Vitamina D e Flutuações Sazonais de Gadolinium-aumentar Ressonância Magnética Lesões de Imaging em MS
Vitamina D e o Risco de MS Em desenvolvimento para britânico & Migrantes irlandeses para a Austrália
Vitamina D Supplementation na Briga Contra Esclerose Múltipla
Lista de suplementos indicados
 
LEITURAS EM DIETA E MS
Fatores nutricionais e MS
A Hipótese de Dieta para a Causa de MS
Uma Causa Dietética de MS
Hipersensibilidade de comida e MS
Melhor Aposte Tratamento para MS
Nutrição de Paleolithic e Esclerose de Múltiplo
A Necessidade Crítica para Pesquisa Dietética na Causa de Esclerose Múltipla
Memória T Ajudante Cells e MS
A Roger MacDougall Story
Nenhuma Cama de Rosas por Roger MacDougall
 
CONCEITOS CIENTÍFICOS IMPORTANTES
Intestino mal vedado
Nutrição de Paleolithic
Mimicry molecular
 
Artigos de Diário IMPORTANTES
São anfitrião de vários artigos de diário neste local.  Uma lista completa, e podem ser achadas ligações para estes artigos aqui.
 
Dr Peter Seland
Sarah Pepall
Sr. Reid Nicholson
Nutritional Factors and Multiple Sclerosis
This is the website of the registered charity: DIRECT-MS
Now available: The first in a series of webcasts entitled
“Nutritional Strategies for Controlling Multiple Sclerosis”
Latest booklet available: “Protect your family from MS”
Previously released: “Take Control of Multiple Sclerosis”
READINGS ON SUPPLEMENTS
Vitamin D and Seasonal Fluctuations of Gadolinium-Enhancing Magnetic Resonance Imaging Lesions in MS
Vitamin D and the Risk of Developing MS for British & Irish Migrants to Australia
Vitamin D Supplementation in the Fight Against Multiple Sclerosis
List of recommended supplements
READINGS ON DIET AND MS
Nutritional Factors and MS
The Diet Hypothesis for the Cause of MS
A Dietary Cause of MS
Food Hypersensitivities and MS
Best Bet Treatment for MS
Paleolithic Nutrition and Multiple Sclerosis
The Critical Need for Dietary Research into the Cause of Multiple Sclerosis
Memory T Helper Cells and MS
The Roger MacDougall Story
No Bed of Roses by Roger MacDougall
IMPORTANT SCIENTIFIC CONCEPTS
 
 

Uma resposta

  1. Hoje, está definitivamente reconhecida na medicina, a importancia das terapias preventivas. Inclusive para o Alzheimer, a vitamina D, a hormona que no sangue é o metabólito activo da vitamina D, a concentração da “25-hydroxyvitamin D”. É importante que se saiba, em condições de equilíbrio — vitaminas deficientes complementadas e o aspecto emocional tranquilo –, voltam a nascer células-tronco, e novos neuronios. A “situação fundamental é a mesma: a existência de um distúrbio metabólico evidente e corrigível”. Dr. Cícero Galli Coimbra, entrevista em 2009, disponível em:http://www.youtube.com/user/biodireitobioetica#p/u/5/yRQkITHjZ5k

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: