Vitamin D deficiency: a global perspective

Deficiência de vitamina D: uma perspectiva global
 

Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia

Print version ISSN 0004-2730

Arq Bras Endocrinol Metab vol.50 no.4 São Paulo Aug. 2006

http://dx.doi.org/10.1590/S0004-27302006000400009 

 

UPDATE ARTICLE
http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0004-27302006000400009&script=sci_arttext

Vitamin D deficiency: a global perspective

Francisco BandeiraI; Luiz GrizI; Patricia DreyerI; Catia EufrazinoI; Cristina BandeiraI; Eduardo FreeseII
IDepartment of Medicine, Division of Endocrinology, Agamenon Magalhães Hospital, University of Pernambuco
IIDepartment of Public Health and Epidemiology, Aggeu Magalhães Research Center, Oswaldo Cruz Foundation, Ministry of Health, Recife, PE, Brazil
Address for correspondence


ABSTRACT
Vitamin D is essential for the maintenance of good health. Its sources can be skin production and diet intake. Most humans depend on sunlight exposure (UVB 290­315 nm) to satisfy their requirements for vitamin D. Solar ultraviolet B photons are absorbed by the skin, leading to transformation of 7-dehydrocholesterol into vitamin D3 (cholecalciferol). Season, latitude, time of day, skin pigmentation, aging, sunscreen use, all influence the cutaneous production of vitamin D3. Vitamin D deficiency not only causes rickets among children but also precipitates and exacerbates osteoporosis among adults and causes the painful bone disease osteomalacia. Vitamin D deficiency has been associated with increased risk for other morbidities such as cardiovascular disease, type 1 and type 2 diabetes mellitus and cancer, especially of the colon and prostate. The prevalence of hypovitaminosis D is considerable even in low latitudes and should be taken into account in the evaluation of postmenopausal and male osteoporosis. Although severe vitamin D deficiency leading to rickets or osteomalacia is rare in Brazil, there is accumulating evidence of the frequent occurrence of subclinical vitamin D deficiency, especially in elderly people. 
Keywords: Vitamin D; Osteoporosis; Sunlight; Parathyroid hormone; Bone density


RESUMO
A vitamina D é essencial para a manutenção da saúde. A sua fonte principal é a pele ou pode ser ingerida com a dieta. A maioria dos seres humanos depende da exposição solar para adquirir quantidades suficientes de vitamina D. A radiação ultravioleta tipo B transforma o 7-dehidrocolesterol em vitamina D3 (colecalciferol). A época do ano, latitude, pigmentação da pele, idade e uso de filtros solares são fatores que influenciam a produção cutânea. Deficiência de vitamina D pode causar raquitismo e osteomalacia, exacerbar a perda óssea na osteoporose, como também pode associar-se a várias morbidades como doenças cardiovasculares, diabetes mellitus tipo 1 e 2, câncer de próstata e de intestino grosso. A prevalência de hipovitaminose D tem sido relatada com grande freqüência mesmo em regiões de baixa latitude e deve ser considerada na avaliação da osteoporose. Embora a deficiência severa levando a osteomalacia possa ser vista raramente no Brasil, evidências se acumulam da freqüente ocorrência de deficiência subclínica, especialmente em idosos. 
Descritores: Vitamina D; Osteoporose; Luz solar; Paratormônio; Densidade óssea.


VITAMIN D IS ESSENTIAL for the maintenance of good health. Its sources can be skin production and diet intake. Most humans depend on sunlight exposure (UVB 290­315 nm) to satisfy their requirements for vitamin D. Solar ultraviolet B photons are absorbed by the skin, leading to transformation of 7-dehydrocholesterol into vitamin D3 (cholecalciferol). Season, latitude, time of day, skin pigmentation, aging, sunscreen use, all influence the cutaneous production of vitamin D3. Once formed, vitamin D3 is metabolized in the liver to 25-hydroxyvitamin D3 and then in the kidney to its biologically active form, 1,25-dihydroxyvitamin D3. Vitamin D deficiency is an unrecognized worldwide epidemic among both children and adults (1). Vitamin D deficiency not only causes rickets among children but also precipitates and exacerbates osteoporosis among adults and causes the painful bone disease osteomalacia. Vitamin D deficiency has been associated with increased risk for other morbidities such as cardiovascular disease, type 1 and type 2 diabetes mellitus and cancer, especially of the colon and prostate (1,2). Maintaining blood concentrations of 25-hydroxyvitamin D above 80 nmol/L (approximately 30 ng/mL) is not only important for maximizing intestinal calcium absorption but may also be important for providing the extrarenal 1alpha-hydroxylase that is present in most tissues for the production of 1,25-dihydroxyvitamin D3 (3).

SERUM VITAMIN D DETERMINATION
The most important vitamin D metabolite measurable in the serum is the 25-hydroxyvitamin D (25-OHD), which constitutes the major circulating form that can safely be correlated with skin production and dietary intake. Normal serum levels range from 10 to 55 ng/mL according to commercial kits, although these values do not discriminate properly which levels represent deficiency or insufficiency. In elderly subjects these levels should be at least 20 ng/mL as suggested by one study (4). There is no consensus on the ideal serum concentration of 25-OHD and there are many suggested values for setting the lower limit of normality from 20 to as much 37 ng/mL (5-8). Therefore the level of vitamin D should be the one that does not induce a rise in parathyroid hormone (PTH), and the optimal serum 25-OHD concentrations have yet to be established (6,9). The recent report by Binkley et al. (10) highlighted the importance of validation of circulating 25-OHD assays in the user’s laboratory, irrespective of the manufactor’s claims, as we did for our assay. They compared the results of serum 25-OHD measurement from samples of postmenopausal women sent to different laboratories. The DiaSorin RIA, which we use in our laboratory, demonstrated excellent results when compared with the HPLC standard method, and has been very effective in detecting endogenous 25-OHD2 and 25-OHD3 in human serum (10,11).

SUNLIGHT EXPOSURE AND VITAMIN D DEFICIENCY
Regular sunlight exposure has been considered an effective prophylaxis against vitamin D deficiency (12). However, studies in other regions of the world located at low latitude, such as the Middle East, have also shown a high prevalence of vitamin D deficiency, ranging from 50 to 97%. These findings have been explained as being mostly due to the customary clothing that covers almost the entire body (13,14). In countries that are exposed to sunlight directly and where the body is not covered entirely, such as the European countries bordering the Mediterranean, the levels of vitamin D can still be low as showed in the Euronut SENECA study (15) carried out among elderly Europeans. Hypovitaminosis D was surprisingly much more common in people living in sunny countries like Italy, Spain, and Greece than among those living in countries in which sunshine exposure is considered insufficient. In that study, up to 83% of elderly Greek women had vitamin D deficiency (levels below 12 ng/ml) compared with only 18% of the elderly population in Norway. Higher fish consumption, vitamin D fortification of food, and a higher percentage of people taking vitamin D supplements could explain this difference.
It has been recognized for some time that at temperate latitudes serum 25-hydroxyvitamin D exhibits an annual cyclic variation, with a peak in late summer and a nadir in late winter. This variation is generally considered to be due to a corresponding variation in the amount of UV-B radiation reaching the skin in the summer and winter months. It is reported that at latitudes above 40º (north or south), photoconversion of 7-dehydrocholesterol to previtamin D does not occur in the winter months, and that as latitude rises, even summer synthesis is blunted (figure 1). What is not known is the quantitative total input of vitamin D from the skin on a daily basis at any time of year, but particularly during the summer. A study conducted in Omaha, Nebraska, USA (16), examined the effects of summer sun exposure on serum 25-hydroxyvitamin D, calcium absorption fraction, and urinary calcium excretion. The subjects were 30 healthy men who had just completed a summer season of extended outdoor activity (e.g. landscaping, construction work, farming, or recreation). Twenty-six subjects completed both visits: after summer sun exposure and again approximately 175 days later, after winter sun deprivation. The subject’s were characterized mainly according to an index in which hours of sun exposure were taken into account in respect to fraction of body surface area exposed to sunlight. At both visits they measured serum 25-OHD, fasting urinary calcium to creatinine ratio, and calcium absorption fraction. Median serum 25-OHD decreased from 49 ng/ml in late summer to 30 ng/ml in late winter. The median seasonal difference of 20 ng/ml (interquartile range, 12­27) was highly significant (P< 0.0001). However, they found only a trivial, nonsignificant seasonal difference in calcium absorption fraction and no change in fasting urinary calcium to creatinine ratio (16).

Another study performed in South Florida — a region of year-round sunny weather — determined levels of vitamin D during winter as compared to summer (17). In winter 212 subjects had their 25-OHD measured. The mean winter 25-OHD concentration was 24.9 ± 8.7 ng/ml (62.3 ± 21.8 nmol/liter) in men and 22.4 ± 8.2 ng/ml (56.0 ± 20.5 nmol/liter) in women. In winter, the prevalence of hypovitaminosis D, defined as 25-OHD less than 20 ng/ml (50 nmol/liter), was 38% and 40% in men and women, respectively. In the 99 subjects who returned for the end of the summer visit, the mean 25-OHD concentration was 31.0 ± 11.0 ng/ml (77.5 ± 27.5 nmol/liter) in men and 25.0 ± 9.4 ng/ml (62.5 ± 23.5 nmol/liter) in women. Seasonal variation represented a 14% summer increase in 25-OHD concentrations in men and a 13% increase in women, both of which were statistically significant. The prevalence of hypovitaminosis D is considerable even in low latitudes and should be taken into account in the evaluation of postmenopausal and male osteoporosis. Although clothing in south Florida commonly leaves arms and legs uncovered, other factors can impair dermal vitamin D production, including age, pigmentation of the skin, and sunscreen use. The higher than expected prevalence of vitamin D deficiency in south Florida might be accounted for avoidance of sun exposure because of the heat and increased awareness of the risk of developing skin cancer. The small seasonal variation in 25-OHD concentrations can be explained by even greater exposure to the sun throughout the year in south Florida, compared with northern regions where sunlight exposure is minimal because of the cold weather and shorter hours of daylight during the winter months.
In a study performed in Honolulu (latitude 21º) and Madison (latitude 43º) in young men and women of similar age and BMI, serum 25-OHD was determined and correlated with sun exposure. Although it was higher in Honolulu than in Madison (31.4 ± 1.0 vs. 18.3 ± 0.8 ng/ml), the highest serum 25-OHD concentrations were similar in both groups (62 vs. 62.3 ng/ml), as was the range of 25-OHD levels (12­62 vs. 5­62 ng/ml). Serum 25-OHD was less than 20 ng/ml in 10% of Hawaiian individuals despite sunlight exposure of 23.1 ± 4.9 (range 6­50) hours per week (18).
A new concept is thus being established: people living in high-sun-exposure areas may have a high prevalence of poor vitamin D status, suggesting that living at low latitudes alone does not protect against vitamin D deficiency.

THE WORLD EPIDEMIC OF VITAMIN D DEFICIENCY
Some data from other countries suggest that the occurrence of low 25-OHD levels in the elderly is more common than was thought to be the case, reaching 80% in 80-year-old women living in old people’s homes in the Netherlands (19). Even in health adolescents vitamin D deficiency/insufficiency may reach 42% using a cut-off point of 20 ng/ml (50 nmol/L) for serum 25-OHD (20). In Sydney, Australia, a study carried out with men over 60 years of age, including 41 with fractures of the femoral neck, 41 hospitalized for other reasons and 41 outpatients, revealed that the mean serum 25-OHD levels were significantly lower in the patients with fractures of the femoral neck (18.2 ng/ml, or 45.5 nmol/L) than in those hospitalized for other reasons (24.4 ng/ml, or 61 nmol/L) or in the outpatients (25.4 ng/ml, or 63.5 nmol/L). Subclinical vitamin D deficiency (defined here as a serum 25-OHD level below 20 ng/ml, or 50 nmol/L) occurred in 63% of the patients with fractures of the femoral neck, compared with 25% of the outpatients (odds ratio= 3.9; CI= 1.74-8.78; p= 0.0007). When analyzed in relation to other risk factors for osteoporosis such as age, body weight, concomitant morbid conditions, alcohol intake, smoking and use of corticoids, subclinical vitamin D deficiency was the most important factor in predicting the risk of fractures of the femoral neck (21).
In Wolverhampton, England, a cross-sectional study compared 98 patients from the ethnic Asian community, who were being followed up in rheumatology clinics, with 36 control individuals. The groups were matched for gender, age and BMI. Most of the patients were vegetarians and had a diet low in calcium. The mean serum 25-OHD was 6.6 ng/ml (16.5 nmol/L) in the study patients and 8.2 ng/ml (20.5 nmol/L) in the controls. The prevalence of severe vitamin D deficiency (25-OHD below 8 ng/ml) was 78% and 58%, respectively in the two groups. The mean serum PTH levels were not significantly different (53 vs. 50 pg/ml), nor was the prevalence of secondary hyperparathyroidism due to severe vitamin D deficiency (22% vs. 33%). The color of the skin, restricting the penetration of sunrays, and typical clothes covering a large part of the body area in a region with a low amount of sunlight, both contribute to the high frequency of severe vitamin D deficiency in these individuals (22).
In a population of noninstitutionalized low-income elderly persons in Boston, USA, aged 64­100 yr, Harris et al. evaluated the serum 25-OHD levels of 308 participants in the Boston Low Income Osteoporosis Study. Twenty-eight black patients (21% of 136) and 12 whites (11% of 110) had levels regarded as very low (< 10 ng/ml). Seventy-three per cent of the black and 35% of the white patients had 25-OHD levels lower than 20 ng/ml (50 nmol/L). In the patients of Asian or Hispanic origin the levels were similar to those of the white patients. The serum PTH levels were considerably higher in the patients with vitamin D deficiency, particularly the blacks (23).

VITAMIN D DEFICIENCY IN BRAZIL
In countries close to the equator the ultraviolet radiation of the sun penetrate the ozone layer of the Earth’s stratosphere sufficiently to permit the production of vitamin D by the skin throughout the year. It should be emphasized, however, that the process of ageing by itself leads to a decrease in the skin’s ability to produce vitamin D because of the diminution of the amount of 7-dehydrocholesterol. A 70-year-old individual who exposes him or herself to the same amount of ultraviolet sunrays manages to produce only 20% of the amount produced by a young person (24).
Although severe vitamin D deficiency leading to rickets or osteomalacia is rare in Brazil, there is accumulating evidence of the frequent occurrence of subclinical vitamin D deficiency in several other populations, especially in the elderly. As a result, there might occur secondary hyperparathyroidism, increased bone remodeling, a decrease in bone mineral density (BMD), particularly in the proximal femur, and an increased risk of osteoporotic fractures, when compared with individuals considered to have a sufficient supply of vitamin D (25). Likewise, supplementation of adequate amounts of cholecalciferol or ergocalciferol (700 to 800 IU/day) appears to reduce the risk of hip and any nonvertebral fractures in ambulatory or institutionalized elderly persons (26), and may have a positive impact on musculoskeletal parameters such as lean body mass in children and adolescents (27), who are also prone to vitamin D deficiency especially when sun exposure is limited (28,29).
Some initial data, as stated before, suggested that to satisfactorily meet metabolic requirements, at least 20 ng/ml (50 nmol/L) would be needed, especially in elderly persons, since below this there would be a rise in serum parathyroid hormone (PTH) and increased bone remodeling (4). When these individuals were placed on a vitamin D supplement raising the serum 25-OHD to values above 20 ng/ml, the PTH levels fell by approximately 40% and bone mass increased.
In patients attending an osteoporosis clinic, PTH levels clearly increase when the serum levels of 25-hydroxyvitamin D fall to below 25 ng/ml (62.5 nmol/L) and there is a significant increase in bone remodeling and bone loss with levels even lower than 30 ng/ml (75 nmol/L) (6).
Our data demonstrated that the mean serum 25-OHD levels were similar to that found in our postmenopausal patients who had primary asymptomatic hyperparathyroidism (30) and were also no different from the levels reported in the North American patients in the MORE study (5).
We verified the prevalence of vitamin D deficiency in postmenopausal women using several cutoff points for the serum 25-OHD (31), since there is yet no consensus as to which is the most appropriate. Vitamin D deficiency was found in 8% of the patients considering values below 15 ng/ml (37.5 nmol/L), in 24% of the patients considering values below 20 ng/ml (50 nmol/L) and in 43% considering values below 25 ng/ml (62.5 nmol/L). These data show a prevalence similar to what occurs in the USA, but greater than that of Canada and the Scandinavian countries (5), and reinforce the idea that the abundant presence of sunlight may not prevent vitamin D deficiency in postmenopausal women. Moreover, the Brazilian diet is very poor in vitamin D, the principal source of which is fish with a high fat content found in the cold regions of the northern hemisphere. In Canada and the Scandinavian countries 25-OHD levels are significantly higher than those of the patients in our study. In those countries, despite the lower amount of sunlight, the natural food source is greater and there is also supplementation of milk with vitamin D.
It is also important to bear in mind that in countries with an arid or semi-arid climate (figure 2), with a very low amount of rainfall and therefore sunny weather throughout the year, vitamin D deficiency attains one of the highest rates of prevalence on the whole planet (32,33). Even though the city of Recife (latitude 10º) has a humid tropical climate, these data from arid and semi-arid regions also serve to strengthen the notion that, at least in postmenopausal women, living in areas with abundant sunlight does not prevent vitamin D deficiency.

As vitamin D deficiency may be asymptomatic, albeit predisposing to a greater loss of bone and consequent increased risk of fractures, it is important that each region should attempt to establish the lowest limit of normality for serum 25-OHD, defined as the level at which mean serum PTH levels begin to rise, characterizing secondary hyperparathyroidism (34). We found significant differences in the serum PTH levels up to the 25-ng/ml (62.5 nmol/L) cutoff point for serum 25-OHD. In patients with 25-OHD levels lower than 25 ng/ml, the PTH levels were 52.95 pg/ml in comparison with the patients whose 25-OHD was equal to or greater than 25 ng/ml who presented mean PTH levels of 39.7 pg/ml. Calcium intake was not a contributing factor to the higher PTH values in our patients with 25-OHD below 25 ng/ml (62.5 nmol/L), as the percentage of patients with a low calcium intake was even greater in those patients with higher 25-OHD levels, although the difference was not statistically significant.
The prevalence of vitamin D deficiency increased significantly with age, being found in 30% of the women between 50 and 60 years of age and in even more than 80% of the women over the age of 80 (31).
In a study of 250 elderly individuals from São Paulo (latitude 23º) with a mean age of 79 years, mean serum 25-OHD was 19.8 ng/ml, and overall 57% of them showed values below 20 ng/ml. In the winter and spring months 66 and 69% had 25-OHD concentrations below 20 ng/ml (35).
Finally, functional indices of vitamin D status have been proposed in which serum 25-OHD concentrations above 32 ng/ml (80 nmol/L) are necessary to improve calcium absorption (36).

CONCLUSION
Although vitamin D levels may differ by latitude and skin pigmentation worldwide, there are growing evidences that living in areas with abundant sunlight may not be possible to attain adequate amounts of vitamin D necessary to prevent several chronic diseases.

REFERENCES
1. Pittas A, Dawson-Hughes B, Li T, Van Dam R, Willett WC, Manson JE, et al. Vitamin D and calcium intake in relation to type 2 diabetes in women. Diabetes Care 2006;29:650-6.        [ Links ]
2. Garland CF, Garland FC, Gorham E, Lipkin M, Newmark H, Mohr SB, et al. The role of vitamin D in cancer prevention. Am J Pub Health 2006;96:252-61.        [ Links ]
3. Holick MF. Sunlight and vitamin D for bone health and prevention of autoimmune diseases, cancers, and cardiovascular disease. Am J Clin Nutr 2004;80(6 Suppl):1678S-88S.        [ Links ]
4. Rosen CJ, Morrison A, Zhou H. Elderly women in northern New England exhibit seasonal changes in bone mineral density and calciotropic hormones. Bone Miner 1994;25:83-92.        [ Links ]
5. Lips P, Duong T, Oleksik A, Black DM, Cummings S, Cox D, et al; The Multiple Outcomes of Raloxifene Evaluation Study Group. A global study of vitamin D status and parathyroid function in postmenopausal women with osteoporosis: baseline data from the Multiple outcomes of raloxifene evaluation clinical trial. J Clin Endocrionol Metab 2001;86:1212-8.        [ Links ]
6. Haden ST, Fuleihan GE, Agell JE, Cotran NM. Calcidiol and PTH levels in women attending an osteoporosis program. Calcif Tissue Int 1999;64:275-9.        [ Links ]
7. Chapuy MC, Preziosi P, Maaner P, Delmas P. Prevalence of vitamin D insufficiency in an adult normal population. Osteoporos Int 1997;7:439-43.        [ Links ]
8. Thomas MK, Demay MB. Vitamin D deficiency and disorders of vitamin D metabolism. Endocrinol Metab Clin North Am 2000;29:1-17.        [ Links ]
9. Malabanan A, Veronikis IE, Holick MF. Redefining vitamin D insufficiency. Lancet 1998;351:805-6.        [ Links ]
10. Binkley N, Krueger D, Cowgill CS, Plum L, Lake E, Hansen KE, et al. Assay variation confounds the diagnosis of hypovitaminosis D: a call for standardization. J Clin Endocrinol Metab 2004;89:3152-57.        [ Links ]
11. Hollis BW. The determination of circulating 25-hydroxyvitamin D: no easy task. J Clin Endocrinol Metab 2004;89:3149-51.        [ Links ]
12. Reid IR, Gallagher DJ, Bosworth J. Prophylaxis against vitamin D deficiency in the elderly by regular sunlight exposure. Age Ageing 1986;15:35-40.        [ Links ]
13. Matsuoka LY, Wortsman J, Dannenberg MJ, Hollis BW, Lu Z, Holick MF. Clothing prevents ultraviolet-B radiation-dependent photosynthesis of vitamin D3. J Clin Endocrinol Metab 1992;75:1099-103.        [ Links ]
14. Mishal AA. Effects of different dress styles on vitamin D levels in healthy young Jordanian women. Osteoporos Int 2001;12:931-5.        [ Links ]
15. Vander Wielen RPJ, Löwik MRH, Van Den Berg H, De Groot LCPMG, Haller J, Moreiras O, et al. Serum vitamin D concentrations among elderly people in Europe. Lancet 1995;346:207-10.        [ Links ]
16. Barger-Lux MJ, Heaney RP. Effects of above average summer sun exposure on serum 25-hydroxivitamin D and calcium absorption. J Clin Endocrinol Metab 2002;87(11):4952-6.        [ Links ]
17. Levis S, Gomez A, Jimenez C, Veras L, Ma F, Lai S, et al. Vitamin D deficiency and seasonal variation in adult South Florida population. J Clin Endocrinol Metab 2005;90(3):1557-62.        [ Links ]
18. Binkley N, Novotny R, Krueger D, Kawahara-Baccus T, et al. Inadequate vitamin D status despite abundant sun exposure. J Bone Miner Res 2005;20(Suppl 1):S45.        [ Links ]
19.Lips P, Wiersinga A, Van Ginkel FC, Jongen MJ. The effect of vitamin D supplementation on vitamin D status and parathyroid function in elderly subjects. J Clin Endocrinol Metab 1988; 67:644-50.        [ Links ]
20. Gordon CM, DePeter KC, Feldman HA, Grace E, Emans SJ. Prevalence of vitamin D deficiency among healthy adolescents. Arch Ped Adol Med 2004;158:531-7.        [ Links ]
21. Diamond T, Smerdely P, Kormas N, Sekel R, Vu T, Day P. Hip fracture in the elderly men: the importance of subclinical vitamin D deficiency and hypogonadism. Med J Aust 1998;169:138-41.        [ Links ]
22. Serhan E, Newton P, Ali HA. Prevalence of hypovitaminosis D in Indo-Asian patients attending a rheumatology clinic. Bone 1999;25:609-11.        [ Links ]
23. Harris SS, Soteriades E, Coolidge JA, Mudgal S, Dawson-Hughes B. Vitamin D insufficiency and hyperparathyroidism in a low income, multiracial, elderly population. J Clin Endocrinol Metab 2000;85:4125-30.        [ Links ]
24. Holick M, Matsuoka LY, Wortsman J. Age, vitamin D, and solar ultraviolet radiation. Lancet 1989;4:1104-5.        [ Links ]
25. Sahota O, Masud T, San P. Vitamin D insufficiency increases bone turnover at the hip in patients with established vertebral osteoporosis. Clin Endocrinol (Oxf) 1999;51:217-21.        [ Links ]
26. Bischoff-Ferrari HA, Willett WC, Wong JB, Giovannucci E, Dietrich T, Dawson-Hughes B. Fracture prevention with vitamin D supplementation: a meta-analysis of randomized controlled trials. JAMA 2005;293:2257-64.        [ Links ]
27. El-Hajj Fuleihan G, Nabulsi M, Tamim H, Maalouf J, Salamoun M, Khalife H, et al. Effect of vitamin D replacement on musculoskeletal parameters in school children: a randomized controlled trial. J Clin Endocrinol Metab 2006;91(2):405-12.        [ Links ]
28. Hatun S, Islam O, Cizmecioglu F, Kara B, Babaoglu K, Berk F, et al. Subclinical vitamin D deficiency is increased in adolescent girls who wear concealing clothing. J Nutr 2005;218-22.        [ Links ]
29. Stein E, Laing E, Hall D, Hausman D, Kimlin M, Johnson MA, et al. Serum 25-hydroxyvitamin D concentration in girls aged 4-8 y living in the southeastern United States. Am J Clin Nutr 2006;83:75-81.        [ Links ]
30. Bandeira F, Caldas G, Freese E, Griz L, Faria M, Bandeira C. Relationship between serum vitamin D status and clinical manifestations of primary hyperparathyroidism. Endocr Pract 2002;8:266-70.        [ Links ]
31. Bandeira F, Bandeira C, Freese E. Occult vitamin D deficiency and its relationship with bone mineral density among postmenopausal women in Recife, Brazil. J Bone Miner Res 2003;18(Supl 2):S407.        [ Links ]
32. Alagol F, Shihadeh Y, Boztepe H, Tanakol R. Sunlight exposure and vitamin D deficiency in Turkish women. J Endocrinol Invest 2000;23:173-7.        [ Links ]
33. Ganage-Yared MH, Chemali R, Yaacoub N, Asmar A. Hypovitaminosis D in a sunny country: relation to lifestyle and bone markers. J Bone Miner Res 2000;15:1856-62.        [ Links ]
34. Thomas MK, Demay MB. Vitamin D deficiency and disorders of vitamin D metabolism. Endocrinol Metab Clin North Am 2000;29:1-17.        [ Links ]
35. Saraiva GL, Cendoroglo MS, Ramos LR, Araújo LM, Vieira JG, Kunii I, et al. Influence of ultraviolet radiation on the production of 25 hydroxyvitamin D in the elderly population in the city of São Paulo (23º 34’S) Brazil. Osteoporos Int 2005;16:1649-54.        [ Links ]
36. Heaney RP. Functional indices of vitamin D status and ramifications of vitamin D deficiency. Am J Clin Nutr 2004;80:S1706-9.        [ Links ]

Address for correspondence: Francisco Bandeira
Department of Medicine, University of Pernambuco
Division of Endocrinology, Agamenon Magalhães Hospital
Dilab Laboratories
Rua da Hora 378/402
52020-010 Recife, PE
E-mail: fbone@hotlink.com.br
Received in 05/20/06
Accepted in 06/01/06

 

25 Respostas

  1. […] Vitamin D deficiency: a global perspective https://objetodignidade.wordpress.com/2011/08/15/vitamin-d-deficiency-a-global-perspective/ https://objetodignidade.wordpress.com/2011/08/15/vitamin-d-deficiency-a-global-perspective/ https://objetodignidade.wordpress.com/2011/08/15/vitamin-d-deficiency-a-global-perspective/ […]

    Importancia da vitamina D e do metabolismo

    O que os cientistas e pesquisadores têm certeza há anos, a contar dos primeiros anos da década de 2000 e antes já sabiam, é da importancia da vitamina D para doenças autoimunes, cardiovasculares, câncer e diabetes. Porque, como muitos explicaram, Collen Hayes e Cícero Galli Coimbra, dentre cientistas por exemplo, foi preciso descobrir o motivo porque, mesmo em territórios de clima temperado, alguns grupos de pessoas desenvolviam esclerose múltipla e outros não. Alimentação apropriada foi a explicação. O alto consumo de peixes de águas geladas, cuja gordura é rica em Vitamina D, Omega3, como também o consumo de óleo de fígado de bacalhau, forneceu ao sangue humano a hormona 25hidroxivitamin D e as pessoas não desenvolveram nem raquitismo nem esclerose múltipla, embora tivessem a herança genética da doença. Hoje já se sabe que a vitamina D é o link que faltava também para o Alzheimer.
    MUITOS AUTORES EXPOEM PESQUISA NO MESMO SENTIDO
    Lembro quando da noticia destas pesquisas. Há quem escreveu, li na internet, que isto não é verdade. Porem, “The role of vitamin D in multiple sclerosis” é pesquisa acompanhada de centenas e milhares de outras varias em idêntico sentido. Doutores, de todos os países do planeta, vêm mostrando a importancia da vitamina D para outras doenças também, muito alem da esclerose múltipla. Basta fazer pesquisa e escrever: vitamin d multiple sclerosis ou vitamin d Alzheimer ou o mesmo com qualquer outra patollogia que se pretenda pesquisar, câncer, diabetes, artrite reumatoide, psoriase, e muitas outras.

    A internet brasileira tem informação em portugues. Aqui no Brasil, o primeiro médico a oferecer este conhecimento publicamente foi Dr. Cícero Galli Coimbra [PHD Médico Neurologista e Professor Livre-Docente, Departamento de Neurologia e Neurocirurgia – Universidade Federal de São Paulo – Unifesp/EPM]. Alguns artigos e entrevista com Dr. Cícero Galli Coimbra:

    Vitamina D é importantíssima para a saúde
    Disponível em http://biodireitomedicina.wordpress.com/category/a-prevencao-de-doencas-neurodegenerativas/

    Vitamina D pode revolucionar o tratamento da esclerose múltipla*
    http://biodireitomedicina.wordpress.com/2010/08/03/vitamina-d-pode-revolucionar-o-tratamento-da-esclerose-multipla/
    *Dr. Cícero Galli Coimbra
    PHD Médico Neurologista e Professor Livre-Docente

    A cura com Dr. Cícero Galli Coimbra. Estresse emocional, depressão, doenças autoimunes e neurodegenerativas. A importancia da Vitamina D.

    “Comentário: a principal razão pela qual a medicina atual desdenha estes importantes conhecimentos médicos já antigos e com ampla fundamentação na história recente da medicina e confirmados em vários países, através de diversas publicações, é simplesmente porque ela está subordinada aos interesses extremamente gananciosos da indústria farmacêutica internacional.”
    http://biodireitomedicina.wordpress.com/2011/03/23/informacoes-medicas-sobre-a-prevencao-e-tratamento-de-doencas-neurodegenerativas-e-auto-imunes-como-parkinson-alzheimer-lupus-psoriase-vitiligo-depressao/

    http://biodireitomedicina.wordpress.com/category/doencas-autoimunes/
    —-

    O que é possível dizer em breves palavras, já oferece um quadro preocupante. A insuficiência de vitamina D tem desenvolvido muitas outras doenças, alem do raquitismo e da osteoporose, que já são aceitas como “comuns” e típicas da medicina das doenças crônicas.

    Associadas á deficiencia de vitamina D estão o câncer, as diabetes, problemas cardiovasculares, transtorno bipolar, autismo, mal de Alzheimer e esquizofrenia, psoríase, depressão. O comercio industrial multimilionário da farmácia, não traz a cura, apresenta medicação cara e talvez paliativa. Diz assim a medicina das doenças crônicas: “a sua doença não tem cura”… E, no entanto, todas essas doenças graves sequer teriam desenvolvido nas pessoas, se existisse o cuidado com a medicina preventiva com a suplementação da vitamina D.

    Os médicos vêm apresentando pesquisa que aponta o aumento de epidemias em todo planeta, por causa da falta de investimento dos governos em saúde preventiva com suplementação da vitamina D.

    Vitamin D deficiency: a global perspective https://objetodignidade.wordpress.com/2011/08/15/vitamin-d-deficiency-a-global-perspective/

    Deficiência de vitamina D: uma epidemia global
    https://objetodignidade.wordpress.com/2011/08/15/deficiencia-de-vitamina-d-uma-epidemia-global/

    Symposium: Vitamin D Insufficiency: A Significant Risk Factor in Chronic Diseases and Potential Disease-Specific Biomarkers of Vitamin D Sufficiency Vitamin D Intake: A Global Perspective of Current Status
    https://objetodignidade.wordpress.com/2011/08/15/symposium-vitamin-d-insufficiency-a-significant-risk-factor-in-chronic-diseases-and-potential-disease-specific-biomarkers-of-vitamin-d-sufficiency-vitamin-d-intake-a-global-perspective-of-current-s/

    Brasil ainda investe pouco em saúde País investe apenas 8,7% do valor arrecadado com impostos em saúde. Número é inferior ao de países como Argentina, Chile e Venezuela Um estudo realizado pela Fundação Instituto de Administração da Universidade de São Paulo (USP)
    https://objetodignidade.wordpress.com/2011/08/05/brasil-ainda-investe-pouco-em-saude/

    O aumento da Deficiência de vitamina D geralmente se apresentava como deformidade óssea (raquitismo) ou hipocalcemia na infância e como dor músculoesquelética e fraqueza em adultos.

    Hoje os estudos são avançados e os médicos constataram muitos outros problemas de saúde, incluindo doenças cardiovasculares, diabetes, vários tipos de câncer, e autoimunes como mal de Alzheimer e esclerose múltipla, hipo e hipertireoidismo, artrite, vitiligo,associadas á alta insuficiência de vitamina D no sangue.

    O status da vitamina D é mais confiável determinado pelo ensaio de soro de 25-hidroxivitamina D (25-OHD).
    O consenso entre os médicos definiu a medida da nanoterapia como ideal acima de 50. Abaixo de 50 já existe deficiencia mesmo que a pessoa ainda não apresente qualquer sintoma de doença. Isto significa que há meio de baixo custo para a prevenção de epidemias. A suplementação e reposição da colecalciferol, a vitamina D3 a vitamina D3, deve ser feita em altas doses. Muito alem das convencionadas mg da medicina do passado, para ter uma idéia uma gota da solução de colecalciferol tem 1.000 UI [unidade internacional].

    O espectro dessas doenças comuns e graves, é particularmente preocupante porque os estudos observacionais têm demonstrado que a insuficiência de vitamina D, Raquitismo em crianças e osteomalacia em adultos são apenas manifestações clássicas de deficiência de vitamina D profunda. Nos últimos anos, no entanto, aparecem doenças não músculoesqueléticas condições incluindo câncer, síndrome metabólica, infecciosas e doenças autoimunes, esclerose múltipla, doenças que também foram encontrados associados aos baixos níveis de vitamina D. O Aumento da prevalência de distúrbios ligados à deficiência de vitamina D, é refletida no aumento do numero de crianças doentes.
    Epidemias crescem se não for dada nutrição adequada e suplementos á toda população. Este é o cuidado que o governo brasileiro deve ter com todas as pessoas, indistintamente, em todas as idades.

    Dilma e Lula não sabem disso, e desde 2008 favorecem pesquisas com células de embriões e abortos.

    “É interessante notar que as geografias de raquitismo (Hess, 1929) e MS são muito semelhantes, a geografia do raquitismo levou Sniadecki (citado por Holick, 1995) para sugerir em 1822 que o sol pode curar o raquitismo. Lamentavelmente, diz Hayes, o raquitismo continuou a aleijar crianças por um século inteiro antes de investigadores demonstrarem os benefícios da luz solar ou óleo de fígado de bacalhau (Hess & Unger, 1921; Chick et al. 1922). Hoje o óleo de fígado de bacalhau tornou-se a proteção do “inverno” para as crianças que vivem em latitudes setentrionais.”
    Ver Vitamin D: a natural inhibitor of multiple sclerosis, de Collen Hayes:
    Disponivel em http://journals.cambridge.org/action/displayFulltext?type=1&fid=796912&jid=PNS&volumeId=59&issueId=04&aid=796900

    “A evidência de que a vitamina D pode ser um inibidor natural de MS ou E.M. é irresistível. Examinando o benefício da suplementação de vitamina D para a prevenção de MS, a recusa desta verdade vai exigir um grande esforço por parte da comunidade científica, mas é claramente justificada diante dos atuais investimentos político-economicos”, diz Collen Hayes.

    Ver Vitamin D: a natural inhibitor of multiple sclerosis, de Collen Hayes:
    Disponivel em http://journals.cambridge.org/action/displayFulltext?type=1&fid=796912&jid=PNS&volumeId=59&issueId=04&aid=796900—-

    As pessoas que têm doenças como Alzheimer, esclerose múltipla, lúpus, hipo e hipertireoidismo, artrite, vitiligo, diabetes, câncer e outras doenças autoimunitárias, hoje são orientadas por médicos e pesquisadores a consumir a solução oleosa [óleo de girassol ou oliva] de colecalciferol, a vitamina D3. A 25hidroxivitamin D3 é de fácil absorção pelo organismo. Passando do fígado aos rins e, depois de transformada em ativa, é absorvida por todas as células de todos os tecidos do corpo humano, como cálcio, fósforo e outras substancias, fortalecendo e recuperando inclusive o tecido neural.

    A DEFICIENCIA ou INSUFICIENCIA DA VITAMINA D é verificada em exame de sangue, o 25[OH]D3 que o sistema de saúde publica do Brasil não oferece. O consenso entre os médicos definiu a medida da nanoterapia como ideal acima de 50. Abaixo de 50 já existe deficiencia mesmo que a pessoa ainda não apresente qualquer sintoma de doença. Isto significa que há meio de baixo custo para a prevenção de epidemias. A suplementação e reposição da colecalciferol, a vitamina D3, deve ser feita em altas doses. Muito alem das convencionadas 30 mg pela medicina do passado, para ter uma idéia uma gota da solução de colecalciferol tem 1.000 UI [unidade internacional].

    E há SIM UM DISTURBIO METABOLICO, pois, se as pessoas com resultado do exame de sangue abaixo de 50, já estiverem recebendo alimentação apropriada, existe indicio de dificuldade digestiva na absorção dos alimentos, depressão, estresse e tristeza que impedem a neurogenesis.

    “Revisando-se a literatura, verificamos que a carne vermelha libera, durante a digestão, a substância hemina, que possui propriedades tóxicas, porque penetra as membranas celulares carregando ferro para o interior das células, onde este eleva a produção de radicais livres. Para evitar tal efeito, a hemina é destruída, em sua maior parte, na própria célula intestinal (e o restante, no fígado), utilizando a vitamina B2. Tornou-se claro, então, que o indivíduo absorve a hemina, não tendo então a B2 para destruí-la. Assim, solicitamos a parada completa da ingestão de carne”. Coimbra acrescenta que o tratamento tradicional contra a doença, à base de medicamentos, deve ser concomitante à dieta proposta pelos pesquisadores.
    […]
    SBPC/Labjor – Brasil
    Disponível em http://www.comciencia.br/noticias/2003/06jun03/parkinson.htm
    ——

    Vitamina D pode revolucionar o tratamento da esclerose múltipla*
    http://biodireitomedicina.wordpress.com/2010/08/03/vitamina-d-pode-revolucionar-o-tratamento-da-esclerose-multipla/
    *Dr. Cícero Galli Coimbra
    PHD Médico Neurologista e Professor Livre-Docente

    Informações médicas sobre a prevenção e tratamento de doenças neurodegenerativas e autoimunes, como Parkinson, Alzheimer, Lupus, Psoríase, Vitiligo, depressão
    Dr. Cícero Galli Coimbra
    PHD Médico Neurologista e Professor Livre-Docente
    http://biodireitomedicina.wordpress.com/category/doencas-autoimunes/

    Sistema nervoso – 06/02/2009. Entrevista com Dr. Cícero Galli Coimbra. Evitar o envelhecimento e a perda de neuronios.
    http://www.youtube.com/watch?v=yRQkITHjZ5k&feature=player_embedded# —-

    “a situação fundamental é a mesma: a existência de um DISTÚRBIO METABÓLICO evidente e corrigível, capaz de explicar os eventos fisiopatológicos conhecidos, e cuja correção pode deter a progressão da doença (interrompendo a continuidade da morte neuronal crônica, recuperando células neuronais já afetadas pelo processo neurodegenerativo – mas que não atingiram ainda o ponto de irreversibilidade), promover a recuperação total em casos de início recente, ou ao menos parcial das deficiências neurológicas nos casos mais avançados (minimizando seqüelas permanentes) e impedir a morte.” [1]
    [1] Dr. Cícero Galli Coimbra
    PHD Médico Neurologista e Professor Livre-Docente
    Departamento de Neurologia e Neurocirurgia – Universidade Federal de São Paulo – Unifesp/EPM – Sofrimento emocional. – Em defesa da administração de doses elevadas de riboflavina associada à eliminação dos fatores desencadeantes no tratamento (…).

    Disponivel em
    http://www.unifesp.br/dneuro/nexp/riboflavina/
    —-
    Dr. Cícero Galli Coimbra
    PHD Médico Neurologista e Professor Livre-Docente
    http://biodireitomedicina.wordpress.com/category/doencas-autoimunes/
    —-

    Vitamin D: a natural inhibitor of multiple sclerosis From Colleen E. Hayes Department of Biochemistry, University of Wisconsin-Madison, 433 Babcock
    Disponivel em http://journals.cambridge.org/action/displayFulltext?type=1&fid=796912&jid=PNS&volumeId=59&issueId=04&aid=796900——

    Vitamin D: its role and uses in immunology
    HECTOR F. DELUCA2 and MARGHERITA T. CANTORNA*
    Department of Biochemistry, University of Wisconsin-Madison, Madison, Wisconsin 53706, USA; and
    * Department of Nutrition, Pennsylvania State University, University Park, Pennsylvania 16802, USA
    http://www.fasebj.org/cgi/content/full/15/14/2579 http://www.drtheo.com/vitaminD/documents/VitaminD-itsroleandusesinimmunology.pdf
    (The FASEB Journal. 2001;15:2579-2585.)
    —-

    High prevalence of vitamin D deficiency and reduced bone mass in multiple sclerosis
    http://www.huffingtonpost.com/dr-david-perlmutter-md/vitamin-d-benefits_b_818912.html
    High prevalence of vitamin D deficiency and reduced bone mass in multiple sclerosis
    J. Nieves, PhD,
    F. Cosman, MD,
    J. Herbert, MD,
    V. Shen, PhD and
    R. Lindsay, MD
    —-

    Vitamin D and the immune system: new perspectives on an old theme
    Endocrinol Metab Clin North Am. 2010 June; 39(2):
    365–379.
    Endocrinol Metab Clin North Am. Author manuscript; available in PMC 2011 June 1.Published in final edited form as:Endocrinol Metab Clin North Am. 2010 June; 39(2): 365–379. doi: 10.1016/j.ecl.2010.02.010

    Martin Hewison, PhD
    Martin Hewison, Professor in Residence, Department of Orthopaedic Surgery and Molecular Biology Institute, David Geffen School of Medicine at UCLA, 615 Charles E. Young Drive South, Los Angeles, CA 90095, USA;
    National Center for Biotechnology Information, U.S. National Library of Medicine 8600 Rockville Pike, Bethesda MD, 20894 USA
    http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2879394/?tool=pubmed
    —-

    Lack of Vitamin D Linked to Alzheimer’s and Vascular Dementia
    Friday, June 05, 2009 by: Sherry Baker, Health Sciences Editor
    Sherry Baker is a widely published writer whose work has appeared in Newsweek, Health, the Atlanta Journal and Constitution, Yoga Journal, Optometry, Atlanta, Arthritis Today, Natural Healing Newsletter, OMNI, UCLA’s “Healthy Years” newsletter, Mount Sinai School of Medicine’s “Focus on Health Aging” newsletter, the Cleveland Clinic’s “Men’s Health Advisor” newsletter and many others.
    Learn more: http://www.naturalnews.com/026392_Vitamin_D_Alzheimers_disease.html#ixzz3HnBD71Qg
    http://www.naturalnews.com/026392_Vitamin_D_Alzheimers_disease.html
    —-

    Factors in human vitamin D nutrition and in the production and cure of classical rickets Sítio canadense sobre e.m. DIRECT-MS
    Fatores nutricionais e suplementares relacionados à esclerose múltipla. http://www.direct-ms.org/
    —-

    “It is plausible that some 200 cases a year of MS might be prevented in Scotland alone by giving vitamin D to mothers and children,” he wrote.

    disponivel em http://www.timesonline.co.uk/tol/life_and_style/health/article5663483.ece-Vitamin D is ray of sunshine for multiple sclerosis patient
    —-

    Vitamin D in preventive medicine: are we ignoring the evidence? Vitamin D in preventive medicine: are we ignoring the evidence? A vitamina D em medicina preventiva: estamos ignorando as provas? Vitamina D em medicina preventiva: estamos ignorando as provas?
    Dispoível em
    http://64.233.163.132/translate_c?hl=pt-BR&langpair=en%7Cpt&u=http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12720576&prev=/translate_s%3Fhl%3Dpt-BR%26q%3DVitamina%2BD%2Be%2Bdepress%25C3%25A3o%26sl%3Dpt%26tl%3Den&rurl=translate.google.com.br&usg=ALkJrhjspQEBlxCMyClVGNWHjrZsYK2BOA
    Vitamin D supplementation: Recommendations for Canadian mothers and infants. A suplementação de vitamina D: Recomendações para as mães e bebês canadenses.. Paediatr Child Health. . Paediatr Child Health. 2007 Sep; 12(7):583-98. 2007 Sep; 12 (7) :583-98.[Paediatr Child Health. [Paediatr Child Health. 2007] 2007]

    Review Vitamin D and disease prevention with special reference to cardiovascular disease. Review vitamina D e prevenção de doenças, com especial referência à doença cardiovascular.Prog Biophys Mol Biol. Prog Biophys Mol Biol. 2006 Sep; 92(1):39-48. 2006 Sep; 92 (1) :39-48. Epub 2006 Feb 28. Epub 2006 Feb 28.[Prog Biophys Mol Biol. [Prog Biophys Mol Biol. 2006] 2006]

    Vitamin D in health and disease. Vitamina D na saúde e na doença.Clin J Am Soc Nephrol. Clin J Am Soc Nephrol. 2008 Sep; 3(5):1535-41. 2008 Sep; 3 (5) :1535-41. Epub 2008 Jun 4. Epub 2008 Jun 4.[Clin J Am Soc Nephrol. [Clin J Am Soc Nephrol. 2008] 2008]

    Review Sunlight and vitamin D for bone health and prevention of autoimmune diseases, cancers, and cardiovascular disease. Review Luz solar e vitamina D para a saúde óssea e prevenção de doenças auto-imunes, câncer e doenças cardiovasculares.Am J Clin Nutr. Am J Clin Nutr. 2004 Dec; 80(6 Suppl):1678S-88S. 2004 Dec; 80 (6 Suppl): 1678S-88S.[Am J Clin Nutr. [Am J Clin Nutr. 2004] 2004]
    —-

  2. […] Vitamin D deficiency: a global perspective https://objetodignidade.wordpress.com/2011/08/15/vitamin-d-deficiency-a-global-perspective/ https://objetodignidade.wordpress.com/2011/08/15/vitamin-d-deficiency-a-global-perspective/ https://objetodignidade.wordpress.com/2011/08/15/vitamin-d-deficiency-a-global-perspective/ […]

    Importancia da vitamina D e do metabolismo

    O que os cientistas e pesquisadores têm certeza há anos, a contar dos primeiros anos da década de 2000 e antes já sabiam, é da importancia da vitamina D para doenças autoimunes, cardiovasculares, câncer e diabetes. Porque, como muitos explicaram, Collen Hayes e Cícero Galli Coimbra, dentre cientistas por exemplo, foi preciso descobrir o motivo porque, mesmo em territórios de clima temperado, alguns grupos de pessoas desenvolviam esclerose múltipla e outros não. Alimentação apropriada foi a explicação. O alto consumo de peixes de águas geladas, cuja gordura é rica em Vitamina D, Omega3, como também o consumo de óleo de fígado de bacalhau, forneceu ao sangue humano a hormona 25hidroxivitamin D e as pessoas não desenvolveram nem raquitismo nem esclerose múltipla, embora tivessem a herança genética da doença. Hoje já se sabe que a vitamina D é o link que faltava também para o Alzheimer.
    MUITOS AUTORES EXPOEM PESQUISA NO MESMO SENTIDO
    Lembro quando da noticia destas pesquisas. Há quem escreveu, li na internet, que isto não é verdade. Porem, “The role of vitamin D in multiple sclerosis” é pesquisa acompanhada de centenas e milhares de outras varias em idêntico sentido. Doutores, de todos os países do planeta, vêm mostrando a importancia da vitamina D para outras doenças também, muito alem da esclerose múltipla. Basta fazer pesquisa e escrever: vitamin d multiple sclerosis ou vitamin d Alzheimer ou o mesmo com qualquer outra patollogia que se pretenda pesquisar, câncer, diabetes, artrite reumatoide, psoriase, e muitas outras.

    A internet brasileira tem informação em portugues. Aqui no Brasil, o primeiro médico a oferecer este conhecimento publicamente foi Dr. Cícero Galli Coimbra [PHD Médico Neurologista e Professor Livre-Docente, Departamento de Neurologia e Neurocirurgia – Universidade Federal de São Paulo – Unifesp/EPM]. Alguns artigos e entrevista com Dr. Cícero Galli Coimbra:

    Vitamina D é importantíssima para a saúde
    Disponível em http://biodireitomedicina.wordpress.com/category/a-prevencao-de-doencas-neurodegenerativas/

    Vitamina D pode revolucionar o tratamento da esclerose múltipla*
    http://biodireitomedicina.wordpress.com/2010/08/03/vitamina-d-pode-revolucionar-o-tratamento-da-esclerose-multipla/
    *Dr. Cícero Galli Coimbra
    PHD Médico Neurologista e Professor Livre-Docente

    A cura com Dr. Cícero Galli Coimbra. Estresse emocional, depressão, doenças autoimunes e neurodegenerativas. A importancia da Vitamina D.

    “Comentário: a principal razão pela qual a medicina atual desdenha estes importantes conhecimentos médicos já antigos e com ampla fundamentação na história recente da medicina e confirmados em vários países, através de diversas publicações, é simplesmente porque ela está subordinada aos interesses extremamente gananciosos da indústria farmacêutica internacional.”
    http://biodireitomedicina.wordpress.com/2011/03/23/informacoes-medicas-sobre-a-prevencao-e-tratamento-de-doencas-neurodegenerativas-e-auto-imunes-como-parkinson-alzheimer-lupus-psoriase-vitiligo-depressao/

    http://biodireitomedicina.wordpress.com/category/doencas-autoimunes/
    —-

    O que é possível dizer em breves palavras, já oferece um quadro preocupante. A insuficiência de vitamina D tem desenvolvido muitas outras doenças, alem do raquitismo e da osteoporose, que já são aceitas como “comuns” e típicas da medicina das doenças crônicas.

    Associadas á deficiencia de vitamina D estão o câncer, as diabetes, problemas cardiovasculares, transtorno bipolar, autismo, mal de Alzheimer e esquizofrenia, psoríase, depressão. O comercio industrial multimilionário da farmácia, não traz a cura, apresenta medicação cara e talvez paliativa. Diz assim a medicina das doenças crônicas: “a sua doença não tem cura”… E, no entanto, todas essas doenças graves sequer teriam desenvolvido nas pessoas, se existisse o cuidado com a medicina preventiva com a suplementação da vitamina D.

    Os médicos vêm apresentando pesquisa que aponta o aumento de epidemias em todo planeta, por causa da falta de investimento dos governos em saúde preventiva com suplementação da vitamina D.

    Vitamin D deficiency: a global perspective https://objetodignidade.wordpress.com/2011/08/15/vitamin-d-deficiency-a-global-perspective/

    Deficiência de vitamina D: uma epidemia global
    https://objetodignidade.wordpress.com/2011/08/15/deficiencia-de-vitamina-d-uma-epidemia-global/

    Symposium: Vitamin D Insufficiency: A Significant Risk Factor in Chronic Diseases and Potential Disease-Specific Biomarkers of Vitamin D Sufficiency Vitamin D Intake: A Global Perspective of Current Status
    https://objetodignidade.wordpress.com/2011/08/15/symposium-vitamin-d-insufficiency-a-significant-risk-factor-in-chronic-diseases-and-potential-disease-specific-biomarkers-of-vitamin-d-sufficiency-vitamin-d-intake-a-global-perspective-of-current-s/

    Brasil ainda investe pouco em saúde País investe apenas 8,7% do valor arrecadado com impostos em saúde. Número é inferior ao de países como Argentina, Chile e Venezuela Um estudo realizado pela Fundação Instituto de Administração da Universidade de São Paulo (USP)
    https://objetodignidade.wordpress.com/2011/08/05/brasil-ainda-investe-pouco-em-saude/

    O aumento da Deficiência de vitamina D geralmente se apresentava como deformidade óssea (raquitismo) ou hipocalcemia na infância e como dor músculoesquelética e fraqueza em adultos.

    Hoje os estudos são avançados e os médicos constataram muitos outros problemas de saúde, incluindo doenças cardiovasculares, diabetes, vários tipos de câncer, e autoimunes como mal de Alzheimer e esclerose múltipla, hipo e hipertireoidismo, artrite, vitiligo,associadas á alta insuficiência de vitamina D no sangue.

    O status da vitamina D é mais confiável determinado pelo ensaio de soro de 25-hidroxivitamina D (25-OHD).
    O consenso entre os médicos definiu a medida da nanoterapia como ideal acima de 50. Abaixo de 50 já existe deficiencia mesmo que a pessoa ainda não apresente qualquer sintoma de doença. Isto significa que há meio de baixo custo para a prevenção de epidemias. A suplementação e reposição da colecalciferol, a vitamina D3 a vitamina D3, deve ser feita em altas doses. Muito alem das convencionadas mg da medicina do passado, para ter uma idéia uma gota da solução de colecalciferol tem 1.000 UI [unidade internacional].

    O espectro dessas doenças comuns e graves, é particularmente preocupante porque os estudos observacionais têm demonstrado que a insuficiência de vitamina D, Raquitismo em crianças e osteomalacia em adultos são apenas manifestações clássicas de deficiência de vitamina D profunda. Nos últimos anos, no entanto, aparecem doenças não músculoesqueléticas condições incluindo câncer, síndrome metabólica, infecciosas e doenças autoimunes, esclerose múltipla, doenças que também foram encontrados associados aos baixos níveis de vitamina D. O Aumento da prevalência de distúrbios ligados à deficiência de vitamina D, é refletida no aumento do numero de crianças doentes.
    Epidemias crescem se não for dada nutrição adequada e suplementos á toda população. Este é o cuidado que o governo brasileiro deve ter com todas as pessoas, indistintamente, em todas as idades.

    Dilma e Lula não sabem disso, e desde 2008 favorecem pesquisas com células de embriões e abortos.

    “É interessante notar que as geografias de raquitismo (Hess, 1929) e MS são muito semelhantes, a geografia do raquitismo levou Sniadecki (citado por Holick, 1995) para sugerir em 1822 que o sol pode curar o raquitismo. Lamentavelmente, diz Hayes, o raquitismo continuou a aleijar crianças por um século inteiro antes de investigadores demonstrarem os benefícios da luz solar ou óleo de fígado de bacalhau (Hess & Unger, 1921; Chick et al. 1922). Hoje o óleo de fígado de bacalhau tornou-se a proteção do “inverno” para as crianças que vivem em latitudes setentrionais.”
    Ver Vitamin D: a natural inhibitor of multiple sclerosis, de Collen Hayes:
    Disponivel em http://journals.cambridge.org/action/displayFulltext?type=1&fid=796912&jid=PNS&volumeId=59&issueId=04&aid=796900

    “A evidência de que a vitamina D pode ser um inibidor natural de MS ou E.M. é irresistível. Examinando o benefício da suplementação de vitamina D para a prevenção de MS, a recusa desta verdade vai exigir um grande esforço por parte da comunidade científica, mas é claramente justificada diante dos atuais investimentos político-economicos”, diz Collen Hayes.

    Ver Vitamin D: a natural inhibitor of multiple sclerosis, de Collen Hayes:
    Disponivel em http://journals.cambridge.org/action/displayFulltext?type=1&fid=796912&jid=PNS&volumeId=59&issueId=04&aid=796900—-

    As pessoas que têm doenças como Alzheimer, esclerose múltipla, lúpus, hipo e hipertireoidismo, artrite, vitiligo, diabetes, câncer e outras doenças autoimunitárias, hoje são orientadas por médicos e pesquisadores a consumir a solução oleosa [óleo de girassol ou oliva] de colecalciferol, a vitamina D3. A 25hidroxivitamin D3 é de fácil absorção pelo organismo. Passando do fígado aos rins e, depois de transformada em ativa, é absorvida por todas as células de todos os tecidos do corpo humano, como cálcio, fósforo e outras substancias, fortalecendo e recuperando inclusive o tecido neural.

    A DEFICIENCIA ou INSUFICIENCIA DA VITAMINA D é verificada em exame de sangue, o 25[OH]D3 que o sistema de saúde publica do Brasil não oferece. O consenso entre os médicos definiu a medida da nanoterapia como ideal acima de 50. Abaixo de 50 já existe deficiencia mesmo que a pessoa ainda não apresente qualquer sintoma de doença. Isto significa que há meio de baixo custo para a prevenção de epidemias. A suplementação e reposição da colecalciferol, a vitamina D3, deve ser feita em altas doses. Muito alem das convencionadas 30 mg pela medicina do passado, para ter uma idéia uma gota da solução de colecalciferol tem 1.000 UI [unidade internacional].

    E há SIM UM DISTURBIO METABOLICO, pois, se as pessoas com resultado do exame de sangue abaixo de 50, já estiverem recebendo alimentação apropriada, existe indicio de dificuldade digestiva na absorção dos alimentos, depressão, estresse e tristeza que impedem a neurogenesis.

    “Revisando-se a literatura, verificamos que a carne vermelha libera, durante a digestão, a substância hemina, que possui propriedades tóxicas, porque penetra as membranas celulares carregando ferro para o interior das células, onde este eleva a produção de radicais livres. Para evitar tal efeito, a hemina é destruída, em sua maior parte, na própria célula intestinal (e o restante, no fígado), utilizando a vitamina B2. Tornou-se claro, então, que o indivíduo absorve a hemina, não tendo então a B2 para destruí-la. Assim, solicitamos a parada completa da ingestão de carne”. Coimbra acrescenta que o tratamento tradicional contra a doença, à base de medicamentos, deve ser concomitante à dieta proposta pelos pesquisadores.
    […]
    SBPC/Labjor – Brasil
    Disponível em http://www.comciencia.br/noticias/2003/06jun03/parkinson.htm
    ——

    Vitamina D pode revolucionar o tratamento da esclerose múltipla*
    http://biodireitomedicina.wordpress.com/2010/08/03/vitamina-d-pode-revolucionar-o-tratamento-da-esclerose-multipla/
    *Dr. Cícero Galli Coimbra
    PHD Médico Neurologista e Professor Livre-Docente

    Informações médicas sobre a prevenção e tratamento de doenças neurodegenerativas e autoimunes, como Parkinson, Alzheimer, Lupus, Psoríase, Vitiligo, depressão
    Dr. Cícero Galli Coimbra
    PHD Médico Neurologista e Professor Livre-Docente
    http://biodireitomedicina.wordpress.com/category/doencas-autoimunes/

    Sistema nervoso – 06/02/2009. Entrevista com Dr. Cícero Galli Coimbra. Evitar o envelhecimento e a perda de neuronios.
    http://www.youtube.com/watch?v=yRQkITHjZ5k&feature=player_embedded# —-

    “a situação fundamental é a mesma: a existência de um DISTÚRBIO METABÓLICO evidente e corrigível, capaz de explicar os eventos fisiopatológicos conhecidos, e cuja correção pode deter a progressão da doença (interrompendo a continuidade da morte neuronal crônica, recuperando células neuronais já afetadas pelo processo neurodegenerativo – mas que não atingiram ainda o ponto de irreversibilidade), promover a recuperação total em casos de início recente, ou ao menos parcial das deficiências neurológicas nos casos mais avançados (minimizando seqüelas permanentes) e impedir a morte.” [1]
    [1] Dr. Cícero Galli Coimbra
    PHD Médico Neurologista e Professor Livre-Docente
    Departamento de Neurologia e Neurocirurgia – Universidade Federal de São Paulo – Unifesp/EPM – Sofrimento emocional. – Em defesa da administração de doses elevadas de riboflavina associada à eliminação dos fatores desencadeantes no tratamento (…).

    Disponivel em
    http://www.unifesp.br/dneuro/nexp/riboflavina/
    —-
    Dr. Cícero Galli Coimbra
    PHD Médico Neurologista e Professor Livre-Docente
    http://biodireitomedicina.wordpress.com/category/doencas-autoimunes/
    —-

    Vitamin D: a natural inhibitor of multiple sclerosis From Colleen E. Hayes Department of Biochemistry, University of Wisconsin-Madison, 433 Babcock
    Disponivel em http://journals.cambridge.org/action/displayFulltext?type=1&fid=796912&jid=PNS&volumeId=59&issueId=04&aid=796900——

    Vitamin D: its role and uses in immunology
    HECTOR F. DELUCA2 and MARGHERITA T. CANTORNA*
    Department of Biochemistry, University of Wisconsin-Madison, Madison, Wisconsin 53706, USA; and
    * Department of Nutrition, Pennsylvania State University, University Park, Pennsylvania 16802, USA
    http://www.fasebj.org/cgi/content/full/15/14/2579 http://www.drtheo.com/vitaminD/documents/VitaminD-itsroleandusesinimmunology.pdf
    (The FASEB Journal. 2001;15:2579-2585.)
    —-

    High prevalence of vitamin D deficiency and reduced bone mass in multiple sclerosis
    http://www.huffingtonpost.com/dr-david-perlmutter-md/vitamin-d-benefits_b_818912.html
    High prevalence of vitamin D deficiency and reduced bone mass in multiple sclerosis
    J. Nieves, PhD,
    F. Cosman, MD,
    J. Herbert, MD,
    V. Shen, PhD and
    R. Lindsay, MD
    —-

    Vitamin D and the immune system: new perspectives on an old theme
    Endocrinol Metab Clin North Am. 2010 June; 39(2):
    365–379.
    Endocrinol Metab Clin North Am. Author manuscript; available in PMC 2011 June 1.Published in final edited form as:Endocrinol Metab Clin North Am. 2010 June; 39(2): 365–379. doi: 10.1016/j.ecl.2010.02.010

    Martin Hewison, PhD
    Martin Hewison, Professor in Residence, Department of Orthopaedic Surgery and Molecular Biology Institute, David Geffen School of Medicine at UCLA, 615 Charles E. Young Drive South, Los Angeles, CA 90095, USA;
    National Center for Biotechnology Information, U.S. National Library of Medicine 8600 Rockville Pike, Bethesda MD, 20894 USA
    http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2879394/?tool=pubmed
    —-

    Lack of Vitamin D Linked to Alzheimer’s and Vascular Dementia
    Friday, June 05, 2009 by: Sherry Baker, Health Sciences Editor
    Sherry Baker is a widely published writer whose work has appeared in Newsweek, Health, the Atlanta Journal and Constitution, Yoga Journal, Optometry, Atlanta, Arthritis Today, Natural Healing Newsletter, OMNI, UCLA’s “Healthy Years” newsletter, Mount Sinai School of Medicine’s “Focus on Health Aging” newsletter, the Cleveland Clinic’s “Men’s Health Advisor” newsletter and many others.
    Learn more: http://www.naturalnews.com/026392_Vitamin_D_Alzheimers_disease.html#ixzz3HnBD71Qg
    http://www.naturalnews.com/026392_Vitamin_D_Alzheimers_disease.html
    —-

    Factors in human vitamin D nutrition and in the production and cure of classical rickets Sítio canadense sobre e.m. DIRECT-MS
    Fatores nutricionais e suplementares relacionados à esclerose múltipla. http://www.direct-ms.org/
    —-

    “It is plausible that some 200 cases a year of MS might be prevented in Scotland alone by giving vitamin D to mothers and children,” he wrote.

    disponivel em http://www.timesonline.co.uk/tol/life_and_style/health/article5663483.ece-Vitamin D is ray of sunshine for multiple sclerosis patient
    —-

    Vitamin D in preventive medicine: are we ignoring the evidence? Vitamin D in preventive medicine: are we ignoring the evidence? A vitamina D em medicina preventiva: estamos ignorando as provas? Vitamina D em medicina preventiva: estamos ignorando as provas?
    Dispoível em
    http://64.233.163.132/translate_c?hl=pt-BR&langpair=en%7Cpt&u=http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12720576&prev=/translate_s%3Fhl%3Dpt-BR%26q%3DVitamina%2BD%2Be%2Bdepress%25C3%25A3o%26sl%3Dpt%26tl%3Den&rurl=translate.google.com.br&usg=ALkJrhjspQEBlxCMyClVGNWHjrZsYK2BOA
    Vitamin D supplementation: Recommendations for Canadian mothers and infants. A suplementação de vitamina D: Recomendações para as mães e bebês canadenses.. Paediatr Child Health. . Paediatr Child Health. 2007 Sep; 12(7):583-98. 2007 Sep; 12 (7) :583-98.[Paediatr Child Health. [Paediatr Child Health. 2007] 2007]

    Review Vitamin D and disease prevention with special reference to cardiovascular disease. Review vitamina D e prevenção de doenças, com especial referência à doença cardiovascular.Prog Biophys Mol Biol. Prog Biophys Mol Biol. 2006 Sep; 92(1):39-48. 2006 Sep; 92 (1) :39-48. Epub 2006 Feb 28. Epub 2006 Feb 28.[Prog Biophys Mol Biol. [Prog Biophys Mol Biol. 2006] 2006]

    Vitamin D in health and disease. Vitamina D na saúde e na doença.Clin J Am Soc Nephrol. Clin J Am Soc Nephrol. 2008 Sep; 3(5):1535-41. 2008 Sep; 3 (5) :1535-41. Epub 2008 Jun 4. Epub 2008 Jun 4.[Clin J Am Soc Nephrol. [Clin J Am Soc Nephrol. 2008] 2008]

    Review Sunlight and vitamin D for bone health and prevention of autoimmune diseases, cancers, and cardiovascular disease. Review Luz solar e vitamina D para a saúde óssea e prevenção de doenças auto-imunes, câncer e doenças cardiovasculares.Am J Clin Nutr. Am J Clin Nutr. 2004 Dec; 80(6 Suppl):1678S-88S. 2004 Dec; 80 (6 Suppl): 1678S-88S.[Am J Clin Nutr. [Am J Clin Nutr. 2004] 2004]
    —-

  3. […] Vitamin D deficiency: a global perspective https://objetodignidade.wordpress.com/2011/08/15/vitamin-d-deficiency-a-global-perspective/ https://objetodignidade.wordpress.com/2011/08/15/vitamin-d-deficiency-a-global-perspective/ https://objetodignidade.wordpress.com/2011/08/15/vitamin-d-deficiency-a-global-perspective/ […]

    Importancia da vitamina D e do metabolismo

    O que os cientistas e pesquisadores têm certeza há anos, a contar dos primeiros anos da década de 2000 e antes já sabiam, é da importancia da vitamina D para doenças autoimunes, cardiovasculares, câncer e diabetes. Porque, como muitos explicaram, Collen Hayes e Cícero Galli Coimbra, dentre cientistas por exemplo, foi preciso descobrir o motivo porque, mesmo em territórios de clima temperado, alguns grupos de pessoas desenvolviam esclerose múltipla e outros não. Alimentação apropriada foi a explicação. O alto consumo de peixes de águas geladas, cuja gordura é rica em Vitamina D, Omega3, como também o consumo de óleo de fígado de bacalhau, forneceu ao sangue humano a hormona 25hidroxivitamin D e as pessoas não desenvolveram nem raquitismo nem esclerose múltipla, embora tivessem a herança genética da doença. Hoje já se sabe que a vitamina D é o link que faltava também para o Alzheimer.
    MUITOS AUTORES EXPOEM PESQUISA NO MESMO SENTIDO
    Lembro quando da noticia destas pesquisas. Há quem escreveu, li na internet, que isto não é verdade. Porem, “The role of vitamin D in multiple sclerosis” é pesquisa acompanhada de centenas e milhares de outras varias em idêntico sentido. Doutores, de todos os países do planeta, vêm mostrando a importancia da vitamina D para outras doenças também, muito alem da esclerose múltipla. Basta fazer pesquisa e escrever: vitamin d multiple sclerosis ou vitamin d Alzheimer ou o mesmo com qualquer outra patollogia que se pretenda pesquisar, câncer, diabetes, artrite reumatoide, psoriase, e muitas outras.

    A internet brasileira tem informação em portugues. Aqui no Brasil, o primeiro médico a oferecer este conhecimento publicamente foi Dr. Cícero Galli Coimbra [PHD Médico Neurologista e Professor Livre-Docente, Departamento de Neurologia e Neurocirurgia – Universidade Federal de São Paulo – Unifesp/EPM]. Alguns artigos e entrevista com Dr. Cícero Galli Coimbra:

    Vitamina D é importantíssima para a saúde
    Disponível em http://biodireitomedicina.wordpress.com/category/a-prevencao-de-doencas-neurodegenerativas/

    Vitamina D pode revolucionar o tratamento da esclerose múltipla*
    http://biodireitomedicina.wordpress.com/2010/08/03/vitamina-d-pode-revolucionar-o-tratamento-da-esclerose-multipla/
    *Dr. Cícero Galli Coimbra
    PHD Médico Neurologista e Professor Livre-Docente

    A cura com Dr. Cícero Galli Coimbra. Estresse emocional, depressão, doenças autoimunes e neurodegenerativas. A importancia da Vitamina D.

    “Comentário: a principal razão pela qual a medicina atual desdenha estes importantes conhecimentos médicos já antigos e com ampla fundamentação na história recente da medicina e confirmados em vários países, através de diversas publicações, é simplesmente porque ela está subordinada aos interesses extremamente gananciosos da indústria farmacêutica internacional.”
    http://biodireitomedicina.wordpress.com/2011/03/23/informacoes-medicas-sobre-a-prevencao-e-tratamento-de-doencas-neurodegenerativas-e-auto-imunes-como-parkinson-alzheimer-lupus-psoriase-vitiligo-depressao/

    http://biodireitomedicina.wordpress.com/category/doencas-autoimunes/
    —-

    O que é possível dizer em breves palavras, já oferece um quadro preocupante. A insuficiência de vitamina D tem desenvolvido muitas outras doenças, alem do raquitismo e da osteoporose, que já são aceitas como “comuns” e típicas da medicina das doenças crônicas.

    Associadas á deficiencia de vitamina D estão o câncer, as diabetes, problemas cardiovasculares, transtorno bipolar, autismo, mal de Alzheimer e esquizofrenia, psoríase, depressão. O comercio industrial multimilionário da farmácia, não traz a cura, apresenta medicação cara e talvez paliativa. Diz assim a medicina das doenças crônicas: “a sua doença não tem cura”… E, no entanto, todas essas doenças graves sequer teriam desenvolvido nas pessoas, se existisse o cuidado com a medicina preventiva com a suplementação da vitamina D.

    Os médicos vêm apresentando pesquisa que aponta o aumento de epidemias em todo planeta, por causa da falta de investimento dos governos em saúde preventiva com suplementação da vitamina D.

    Vitamin D deficiency: a global perspective https://objetodignidade.wordpress.com/2011/08/15/vitamin-d-deficiency-a-global-perspective/

    Deficiência de vitamina D: uma epidemia global
    https://objetodignidade.wordpress.com/2011/08/15/deficiencia-de-vitamina-d-uma-epidemia-global/

    Symposium: Vitamin D Insufficiency: A Significant Risk Factor in Chronic Diseases and Potential Disease-Specific Biomarkers of Vitamin D Sufficiency Vitamin D Intake: A Global Perspective of Current Status
    https://objetodignidade.wordpress.com/2011/08/15/symposium-vitamin-d-insufficiency-a-significant-risk-factor-in-chronic-diseases-and-potential-disease-specific-biomarkers-of-vitamin-d-sufficiency-vitamin-d-intake-a-global-perspective-of-current-s/

    Brasil ainda investe pouco em saúde País investe apenas 8,7% do valor arrecadado com impostos em saúde. Número é inferior ao de países como Argentina, Chile e Venezuela Um estudo realizado pela Fundação Instituto de Administração da Universidade de São Paulo (USP)
    https://objetodignidade.wordpress.com/2011/08/05/brasil-ainda-investe-pouco-em-saude/

    O aumento da Deficiência de vitamina D geralmente se apresentava como deformidade óssea (raquitismo) ou hipocalcemia na infância e como dor músculoesquelética e fraqueza em adultos.

    Hoje os estudos são avançados e os médicos constataram muitos outros problemas de saúde, incluindo doenças cardiovasculares, diabetes, vários tipos de câncer, e autoimunes como mal de Alzheimer e esclerose múltipla, hipo e hipertireoidismo, artrite, vitiligo,associadas á alta insuficiência de vitamina D no sangue.

    O status da vitamina D é mais confiável determinado pelo ensaio de soro de 25-hidroxivitamina D (25-OHD).
    O consenso entre os médicos definiu a medida da nanoterapia como ideal acima de 50. Abaixo de 50 já existe deficiencia mesmo que a pessoa ainda não apresente qualquer sintoma de doença. Isto significa que há meio de baixo custo para a prevenção de epidemias. A suplementação e reposição da colecalciferol, a vitamina D3 a vitamina D3, deve ser feita em altas doses. Muito alem das convencionadas mg da medicina do passado, para ter uma idéia uma gota da solução de colecalciferol tem 1.000 UI [unidade internacional].

    O espectro dessas doenças comuns e graves, é particularmente preocupante porque os estudos observacionais têm demonstrado que a insuficiência de vitamina D, Raquitismo em crianças e osteomalacia em adultos são apenas manifestações clássicas de deficiência de vitamina D profunda. Nos últimos anos, no entanto, aparecem doenças não músculoesqueléticas condições incluindo câncer, síndrome metabólica, infecciosas e doenças autoimunes, esclerose múltipla, doenças que também foram encontrados associados aos baixos níveis de vitamina D. O Aumento da prevalência de distúrbios ligados à deficiência de vitamina D, é refletida no aumento do numero de crianças doentes.
    Epidemias crescem se não for dada nutrição adequada e suplementos á toda população. Este é o cuidado que o governo brasileiro deve ter com todas as pessoas, indistintamente, em todas as idades.

    Dilma e Lula não sabem disso, e desde 2008 favorecem pesquisas com células de embriões e abortos.

    “É interessante notar que as geografias de raquitismo (Hess, 1929) e MS são muito semelhantes, a geografia do raquitismo levou Sniadecki (citado por Holick, 1995) para sugerir em 1822 que o sol pode curar o raquitismo. Lamentavelmente, diz Hayes, o raquitismo continuou a aleijar crianças por um século inteiro antes de investigadores demonstrarem os benefícios da luz solar ou óleo de fígado de bacalhau (Hess & Unger, 1921; Chick et al. 1922). Hoje o óleo de fígado de bacalhau tornou-se a proteção do “inverno” para as crianças que vivem em latitudes setentrionais.”
    Ver Vitamin D: a natural inhibitor of multiple sclerosis, de Collen Hayes:
    Disponivel em http://journals.cambridge.org/action/displayFulltext?type=1&fid=796912&jid=PNS&volumeId=59&issueId=04&aid=796900

    “A evidência de que a vitamina D pode ser um inibidor natural de MS ou E.M. é irresistível. Examinando o benefício da suplementação de vitamina D para a prevenção de MS, a recusa desta verdade vai exigir um grande esforço por parte da comunidade científica, mas é claramente justificada diante dos atuais investimentos político-economicos”, diz Collen Hayes.

    Ver Vitamin D: a natural inhibitor of multiple sclerosis, de Collen Hayes:
    Disponivel em http://journals.cambridge.org/action/displayFulltext?type=1&fid=796912&jid=PNS&volumeId=59&issueId=04&aid=796900—-

    As pessoas que têm doenças como Alzheimer, esclerose múltipla, lúpus, hipo e hipertireoidismo, artrite, vitiligo, diabetes, câncer e outras doenças autoimunitárias, hoje são orientadas por médicos e pesquisadores a consumir a solução oleosa [óleo de girassol ou oliva] de colecalciferol, a vitamina D3. A 25hidroxivitamin D3 é de fácil absorção pelo organismo. Passando do fígado aos rins e, depois de transformada em ativa, é absorvida por todas as células de todos os tecidos do corpo humano, como cálcio, fósforo e outras substancias, fortalecendo e recuperando inclusive o tecido neural.

    A DEFICIENCIA ou INSUFICIENCIA DA VITAMINA D é verificada em exame de sangue, o 25[OH]D3 que o sistema de saúde publica do Brasil não oferece. O consenso entre os médicos definiu a medida da nanoterapia como ideal acima de 50. Abaixo de 50 já existe deficiencia mesmo que a pessoa ainda não apresente qualquer sintoma de doença. Isto significa que há meio de baixo custo para a prevenção de epidemias. A suplementação e reposição da colecalciferol, a vitamina D3, deve ser feita em altas doses. Muito alem das convencionadas 30 mg pela medicina do passado, para ter uma idéia uma gota da solução de colecalciferol tem 1.000 UI [unidade internacional].

    E há SIM UM DISTURBIO METABOLICO, pois, se as pessoas com resultado do exame de sangue abaixo de 50, já estiverem recebendo alimentação apropriada, existe indicio de dificuldade digestiva na absorção dos alimentos, depressão, estresse e tristeza que impedem a neurogenesis.

    “Revisando-se a literatura, verificamos que a carne vermelha libera, durante a digestão, a substância hemina, que possui propriedades tóxicas, porque penetra as membranas celulares carregando ferro para o interior das células, onde este eleva a produção de radicais livres. Para evitar tal efeito, a hemina é destruída, em sua maior parte, na própria célula intestinal (e o restante, no fígado), utilizando a vitamina B2. Tornou-se claro, então, que o indivíduo absorve a hemina, não tendo então a B2 para destruí-la. Assim, solicitamos a parada completa da ingestão de carne”. Coimbra acrescenta que o tratamento tradicional contra a doença, à base de medicamentos, deve ser concomitante à dieta proposta pelos pesquisadores.
    […]
    SBPC/Labjor – Brasil
    Disponível em http://www.comciencia.br/noticias/2003/06jun03/parkinson.htm
    ——

    Vitamina D pode revolucionar o tratamento da esclerose múltipla*
    http://biodireitomedicina.wordpress.com/2010/08/03/vitamina-d-pode-revolucionar-o-tratamento-da-esclerose-multipla/
    *Dr. Cícero Galli Coimbra
    PHD Médico Neurologista e Professor Livre-Docente

    Informações médicas sobre a prevenção e tratamento de doenças neurodegenerativas e autoimunes, como Parkinson, Alzheimer, Lupus, Psoríase, Vitiligo, depressão
    Dr. Cícero Galli Coimbra
    PHD Médico Neurologista e Professor Livre-Docente
    http://biodireitomedicina.wordpress.com/category/doencas-autoimunes/

    Sistema nervoso – 06/02/2009. Entrevista com Dr. Cícero Galli Coimbra. Evitar o envelhecimento e a perda de neuronios.
    http://www.youtube.com/watch?v=yRQkITHjZ5k&feature=player_embedded# —-

    “a situação fundamental é a mesma: a existência de um DISTÚRBIO METABÓLICO evidente e corrigível, capaz de explicar os eventos fisiopatológicos conhecidos, e cuja correção pode deter a progressão da doença (interrompendo a continuidade da morte neuronal crônica, recuperando células neuronais já afetadas pelo processo neurodegenerativo – mas que não atingiram ainda o ponto de irreversibilidade), promover a recuperação total em casos de início recente, ou ao menos parcial das deficiências neurológicas nos casos mais avançados (minimizando seqüelas permanentes) e impedir a morte.” [1]
    [1] Dr. Cícero Galli Coimbra
    PHD Médico Neurologista e Professor Livre-Docente
    Departamento de Neurologia e Neurocirurgia – Universidade Federal de São Paulo – Unifesp/EPM – Sofrimento emocional. – Em defesa da administração de doses elevadas de riboflavina associada à eliminação dos fatores desencadeantes no tratamento (…).

    Disponivel em
    http://www.unifesp.br/dneuro/nexp/riboflavina/
    —-
    Dr. Cícero Galli Coimbra
    PHD Médico Neurologista e Professor Livre-Docente
    http://biodireitomedicina.wordpress.com/category/doencas-autoimunes/
    —-

    Vitamin D: a natural inhibitor of multiple sclerosis From Colleen E. Hayes Department of Biochemistry, University of Wisconsin-Madison, 433 Babcock
    Disponivel em http://journals.cambridge.org/action/displayFulltext?type=1&fid=796912&jid=PNS&volumeId=59&issueId=04&aid=796900——

    Vitamin D: its role and uses in immunology
    HECTOR F. DELUCA2 and MARGHERITA T. CANTORNA*
    Department of Biochemistry, University of Wisconsin-Madison, Madison, Wisconsin 53706, USA; and
    * Department of Nutrition, Pennsylvania State University, University Park, Pennsylvania 16802, USA
    http://www.fasebj.org/cgi/content/full/15/14/2579 http://www.drtheo.com/vitaminD/documents/VitaminD-itsroleandusesinimmunology.pdf
    (The FASEB Journal. 2001;15:2579-2585.)
    —-

    High prevalence of vitamin D deficiency and reduced bone mass in multiple sclerosis
    http://www.huffingtonpost.com/dr-david-perlmutter-md/vitamin-d-benefits_b_818912.html
    High prevalence of vitamin D deficiency and reduced bone mass in multiple sclerosis
    J. Nieves, PhD,
    F. Cosman, MD,
    J. Herbert, MD,
    V. Shen, PhD and
    R. Lindsay, MD
    —-

    Vitamin D and the immune system: new perspectives on an old theme
    Endocrinol Metab Clin North Am. 2010 June; 39(2):
    365–379.
    Endocrinol Metab Clin North Am. Author manuscript; available in PMC 2011 June 1.Published in final edited form as:Endocrinol Metab Clin North Am. 2010 June; 39(2): 365–379. doi: 10.1016/j.ecl.2010.02.010

    Martin Hewison, PhD
    Martin Hewison, Professor in Residence, Department of Orthopaedic Surgery and Molecular Biology Institute, David Geffen School of Medicine at UCLA, 615 Charles E. Young Drive South, Los Angeles, CA 90095, USA;
    National Center for Biotechnology Information, U.S. National Library of Medicine 8600 Rockville Pike, Bethesda MD, 20894 USA
    http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2879394/?tool=pubmed
    —-

    Lack of Vitamin D Linked to Alzheimer’s and Vascular Dementia
    Friday, June 05, 2009 by: Sherry Baker, Health Sciences Editor
    Sherry Baker is a widely published writer whose work has appeared in Newsweek, Health, the Atlanta Journal and Constitution, Yoga Journal, Optometry, Atlanta, Arthritis Today, Natural Healing Newsletter, OMNI, UCLA’s “Healthy Years” newsletter, Mount Sinai School of Medicine’s “Focus on Health Aging” newsletter, the Cleveland Clinic’s “Men’s Health Advisor” newsletter and many others.
    Learn more: http://www.naturalnews.com/026392_Vitamin_D_Alzheimers_disease.html#ixzz3HnBD71Qg
    http://www.naturalnews.com/026392_Vitamin_D_Alzheimers_disease.html
    —-

    Factors in human vitamin D nutrition and in the production and cure of classical rickets Sítio canadense sobre e.m. DIRECT-MS
    Fatores nutricionais e suplementares relacionados à esclerose múltipla. http://www.direct-ms.org/
    —-

    “It is plausible that some 200 cases a year of MS might be prevented in Scotland alone by giving vitamin D to mothers and children,” he wrote.

    disponivel em http://www.timesonline.co.uk/tol/life_and_style/health/article5663483.ece-Vitamin D is ray of sunshine for multiple sclerosis patient
    —-

    Vitamin D in preventive medicine: are we ignoring the evidence? Vitamin D in preventive medicine: are we ignoring the evidence? A vitamina D em medicina preventiva: estamos ignorando as provas? Vitamina D em medicina preventiva: estamos ignorando as provas?
    Dispoível em
    http://64.233.163.132/translate_c?hl=pt-BR&langpair=en%7Cpt&u=http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12720576&prev=/translate_s%3Fhl%3Dpt-BR%26q%3DVitamina%2BD%2Be%2Bdepress%25C3%25A3o%26sl%3Dpt%26tl%3Den&rurl=translate.google.com.br&usg=ALkJrhjspQEBlxCMyClVGNWHjrZsYK2BOA
    Vitamin D supplementation: Recommendations for Canadian mothers and infants. A suplementação de vitamina D: Recomendações para as mães e bebês canadenses.. Paediatr Child Health. . Paediatr Child Health. 2007 Sep; 12(7):583-98. 2007 Sep; 12 (7) :583-98.[Paediatr Child Health. [Paediatr Child Health. 2007] 2007]

    Review Vitamin D and disease prevention with special reference to cardiovascular disease. Review vitamina D e prevenção de doenças, com especial referência à doença cardiovascular.Prog Biophys Mol Biol. Prog Biophys Mol Biol. 2006 Sep; 92(1):39-48. 2006 Sep; 92 (1) :39-48. Epub 2006 Feb 28. Epub 2006 Feb 28.[Prog Biophys Mol Biol. [Prog Biophys Mol Biol. 2006] 2006]

    Vitamin D in health and disease. Vitamina D na saúde e na doença.Clin J Am Soc Nephrol. Clin J Am Soc Nephrol. 2008 Sep; 3(5):1535-41. 2008 Sep; 3 (5) :1535-41. Epub 2008 Jun 4. Epub 2008 Jun 4.[Clin J Am Soc Nephrol. [Clin J Am Soc Nephrol. 2008] 2008]

    Review Sunlight and vitamin D for bone health and prevention of autoimmune diseases, cancers, and cardiovascular disease. Review Luz solar e vitamina D para a saúde óssea e prevenção de doenças auto-imunes, câncer e doenças cardiovasculares.Am J Clin Nutr. Am J Clin Nutr. 2004 Dec; 80(6 Suppl):1678S-88S. 2004 Dec; 80 (6 Suppl): 1678S-88S.[Am J Clin Nutr. [Am J Clin Nutr. 2004] 2004]
    —-

  4. […] Vitamin D deficiency: a global perspective https://objetodignidade.wordpress.com/2011/08/15/vitamin-d-deficiency-a-global-perspective/ https://objetodignidade.wordpress.com/2011/08/15/vitamin-d-deficiency-a-global-perspective/ https://objetodignidade.wordpress.com/2011/08/15/vitamin-d-deficiency-a-global-perspective/ […]

    Importancia da vitamina D e do metabolismo

    O que os cientistas e pesquisadores têm certeza há anos, a contar dos primeiros anos da década de 2000 e antes já sabiam, é da importancia da vitamina D para doenças autoimunes, cardiovasculares, câncer e diabetes. Porque, como muitos explicaram, Collen Hayes e Cícero Galli Coimbra, dentre cientistas por exemplo, foi preciso descobrir o motivo porque, mesmo em territórios de clima temperado, alguns grupos de pessoas desenvolviam esclerose múltipla e outros não. Alimentação apropriada foi a explicação. O alto consumo de peixes de águas geladas, cuja gordura é rica em Vitamina D, Omega3, como também o consumo de óleo de fígado de bacalhau, forneceu ao sangue humano a hormona 25hidroxivitamin D e as pessoas não desenvolveram nem raquitismo nem esclerose múltipla, embora tivessem a herança genética da doença. Hoje já se sabe que a vitamina D é o link que faltava também para o Alzheimer.
    MUITOS AUTORES EXPOEM PESQUISA NO MESMO SENTIDO
    Lembro quando da noticia destas pesquisas. Há quem escreveu, li na internet, que isto não é verdade. Porem, “The role of vitamin D in multiple sclerosis” é pesquisa acompanhada de centenas e milhares de outras varias em idêntico sentido. Doutores, de todos os países do planeta, vêm mostrando a importancia da vitamina D para outras doenças também, muito alem da esclerose múltipla. Basta fazer pesquisa e escrever: vitamin d multiple sclerosis ou vitamin d Alzheimer ou o mesmo com qualquer outra patollogia que se pretenda pesquisar, câncer, diabetes, artrite reumatoide, psoriase, e muitas outras.

    A internet brasileira tem informação em portugues. Aqui no Brasil, o primeiro médico a oferecer este conhecimento publicamente foi Dr. Cícero Galli Coimbra [PHD Médico Neurologista e Professor Livre-Docente, Departamento de Neurologia e Neurocirurgia – Universidade Federal de São Paulo – Unifesp/EPM]. Alguns artigos e entrevista com Dr. Cícero Galli Coimbra:

    Vitamina D é importantíssima para a saúde
    Disponível em http://biodireitomedicina.wordpress.com/category/a-prevencao-de-doencas-neurodegenerativas/

    Vitamina D pode revolucionar o tratamento da esclerose múltipla*
    http://biodireitomedicina.wordpress.com/2010/08/03/vitamina-d-pode-revolucionar-o-tratamento-da-esclerose-multipla/
    *Dr. Cícero Galli Coimbra
    PHD Médico Neurologista e Professor Livre-Docente

    A cura com Dr. Cícero Galli Coimbra. Estresse emocional, depressão, doenças autoimunes e neurodegenerativas. A importancia da Vitamina D.

    “Comentário: a principal razão pela qual a medicina atual desdenha estes importantes conhecimentos médicos já antigos e com ampla fundamentação na história recente da medicina e confirmados em vários países, através de diversas publicações, é simplesmente porque ela está subordinada aos interesses extremamente gananciosos da indústria farmacêutica internacional.”
    http://biodireitomedicina.wordpress.com/2011/03/23/informacoes-medicas-sobre-a-prevencao-e-tratamento-de-doencas-neurodegenerativas-e-auto-imunes-como-parkinson-alzheimer-lupus-psoriase-vitiligo-depressao/

    http://biodireitomedicina.wordpress.com/category/doencas-autoimunes/
    —-

    O que é possível dizer em breves palavras, já oferece um quadro preocupante. A insuficiência de vitamina D tem desenvolvido muitas outras doenças, alem do raquitismo e da osteoporose, que já são aceitas como “comuns” e típicas da medicina das doenças crônicas.

    Associadas á deficiencia de vitamina D estão o câncer, as diabetes, problemas cardiovasculares, transtorno bipolar, autismo, mal de Alzheimer e esquizofrenia, psoríase, depressão. O comercio industrial multimilionário da farmácia, não traz a cura, apresenta medicação cara e talvez paliativa. Diz assim a medicina das doenças crônicas: “a sua doença não tem cura”… E, no entanto, todas essas doenças graves sequer teriam desenvolvido nas pessoas, se existisse o cuidado com a medicina preventiva com a suplementação da vitamina D.

    Os médicos vêm apresentando pesquisa que aponta o aumento de epidemias em todo planeta, por causa da falta de investimento dos governos em saúde preventiva com suplementação da vitamina D.

    Vitamin D deficiency: a global perspective https://objetodignidade.wordpress.com/2011/08/15/vitamin-d-deficiency-a-global-perspective/

    Deficiência de vitamina D: uma epidemia global
    https://objetodignidade.wordpress.com/2011/08/15/deficiencia-de-vitamina-d-uma-epidemia-global/

    Symposium: Vitamin D Insufficiency: A Significant Risk Factor in Chronic Diseases and Potential Disease-Specific Biomarkers of Vitamin D Sufficiency Vitamin D Intake: A Global Perspective of Current Status
    https://objetodignidade.wordpress.com/2011/08/15/symposium-vitamin-d-insufficiency-a-significant-risk-factor-in-chronic-diseases-and-potential-disease-specific-biomarkers-of-vitamin-d-sufficiency-vitamin-d-intake-a-global-perspective-of-current-s/

    Brasil ainda investe pouco em saúde País investe apenas 8,7% do valor arrecadado com impostos em saúde. Número é inferior ao de países como Argentina, Chile e Venezuela Um estudo realizado pela Fundação Instituto de Administração da Universidade de São Paulo (USP)
    https://objetodignidade.wordpress.com/2011/08/05/brasil-ainda-investe-pouco-em-saude/

    O aumento da Deficiência de vitamina D geralmente se apresentava como deformidade óssea (raquitismo) ou hipocalcemia na infância e como dor músculoesquelética e fraqueza em adultos.

    Hoje os estudos são avançados e os médicos constataram muitos outros problemas de saúde, incluindo doenças cardiovasculares, diabetes, vários tipos de câncer, e autoimunes como mal de Alzheimer e esclerose múltipla, hipo e hipertireoidismo, artrite, vitiligo,associadas á alta insuficiência de vitamina D no sangue.

    O status da vitamina D é mais confiável determinado pelo ensaio de soro de 25-hidroxivitamina D (25-OHD).
    O consenso entre os médicos definiu a medida da nanoterapia como ideal acima de 50. Abaixo de 50 já existe deficiencia mesmo que a pessoa ainda não apresente qualquer sintoma de doença. Isto significa que há meio de baixo custo para a prevenção de epidemias. A suplementação e reposição da colecalciferol, a vitamina D3 a vitamina D3, deve ser feita em altas doses. Muito alem das convencionadas mg da medicina do passado, para ter uma idéia uma gota da solução de colecalciferol tem 1.000 UI [unidade internacional].

    O espectro dessas doenças comuns e graves, é particularmente preocupante porque os estudos observacionais têm demonstrado que a insuficiência de vitamina D, Raquitismo em crianças e osteomalacia em adultos são apenas manifestações clássicas de deficiência de vitamina D profunda. Nos últimos anos, no entanto, aparecem doenças não músculoesqueléticas condições incluindo câncer, síndrome metabólica, infecciosas e doenças autoimunes, esclerose múltipla, doenças que também foram encontrados associados aos baixos níveis de vitamina D. O Aumento da prevalência de distúrbios ligados à deficiência de vitamina D, é refletida no aumento do numero de crianças doentes.
    Epidemias crescem se não for dada nutrição adequada e suplementos á toda população. Este é o cuidado que o governo brasileiro deve ter com todas as pessoas, indistintamente, em todas as idades.

    Dilma e Lula não sabem disso, e desde 2008 favorecem pesquisas com células de embriões e abortos.

    “É interessante notar que as geografias de raquitismo (Hess, 1929) e MS são muito semelhantes, a geografia do raquitismo levou Sniadecki (citado por Holick, 1995) para sugerir em 1822 que o sol pode curar o raquitismo. Lamentavelmente, diz Hayes, o raquitismo continuou a aleijar crianças por um século inteiro antes de investigadores demonstrarem os benefícios da luz solar ou óleo de fígado de bacalhau (Hess & Unger, 1921; Chick et al. 1922). Hoje o óleo de fígado de bacalhau tornou-se a proteção do “inverno” para as crianças que vivem em latitudes setentrionais.”
    Ver Vitamin D: a natural inhibitor of multiple sclerosis, de Collen Hayes:
    Disponivel em http://journals.cambridge.org/action/displayFulltext?type=1&fid=796912&jid=PNS&volumeId=59&issueId=04&aid=796900

    “A evidência de que a vitamina D pode ser um inibidor natural de MS ou E.M. é irresistível. Examinando o benefício da suplementação de vitamina D para a prevenção de MS, a recusa desta verdade vai exigir um grande esforço por parte da comunidade científica, mas é claramente justificada diante dos atuais investimentos político-economicos”, diz Collen Hayes.

    Ver Vitamin D: a natural inhibitor of multiple sclerosis, de Collen Hayes:
    Disponivel em http://journals.cambridge.org/action/displayFulltext?type=1&fid=796912&jid=PNS&volumeId=59&issueId=04&aid=796900—-

    As pessoas que têm doenças como Alzheimer, esclerose múltipla, lúpus, hipo e hipertireoidismo, artrite, vitiligo, diabetes, câncer e outras doenças autoimunitárias, hoje são orientadas por médicos e pesquisadores a consumir a solução oleosa [óleo de girassol ou oliva] de colecalciferol, a vitamina D3. A 25hidroxivitamin D3 é de fácil absorção pelo organismo. Passando do fígado aos rins e, depois de transformada em ativa, é absorvida por todas as células de todos os tecidos do corpo humano, como cálcio, fósforo e outras substancias, fortalecendo e recuperando inclusive o tecido neural.

    A DEFICIENCIA ou INSUFICIENCIA DA VITAMINA D é verificada em exame de sangue, o 25[OH]D3 que o sistema de saúde publica do Brasil não oferece. O consenso entre os médicos definiu a medida da nanoterapia como ideal acima de 50. Abaixo de 50 já existe deficiencia mesmo que a pessoa ainda não apresente qualquer sintoma de doença. Isto significa que há meio de baixo custo para a prevenção de epidemias. A suplementação e reposição da colecalciferol, a vitamina D3, deve ser feita em altas doses. Muito alem das convencionadas 30 mg pela medicina do passado, para ter uma idéia uma gota da solução de colecalciferol tem 1.000 UI [unidade internacional].

    E há SIM UM DISTURBIO METABOLICO, pois, se as pessoas com resultado do exame de sangue abaixo de 50, já estiverem recebendo alimentação apropriada, existe indicio de dificuldade digestiva na absorção dos alimentos, depressão, estresse e tristeza que impedem a neurogenesis.

    “Revisando-se a literatura, verificamos que a carne vermelha libera, durante a digestão, a substância hemina, que possui propriedades tóxicas, porque penetra as membranas celulares carregando ferro para o interior das células, onde este eleva a produção de radicais livres. Para evitar tal efeito, a hemina é destruída, em sua maior parte, na própria célula intestinal (e o restante, no fígado), utilizando a vitamina B2. Tornou-se claro, então, que o indivíduo absorve a hemina, não tendo então a B2 para destruí-la. Assim, solicitamos a parada completa da ingestão de carne”. Coimbra acrescenta que o tratamento tradicional contra a doença, à base de medicamentos, deve ser concomitante à dieta proposta pelos pesquisadores.
    […]
    SBPC/Labjor – Brasil
    Disponível em http://www.comciencia.br/noticias/2003/06jun03/parkinson.htm
    ——

    Vitamina D pode revolucionar o tratamento da esclerose múltipla*
    http://biodireitomedicina.wordpress.com/2010/08/03/vitamina-d-pode-revolucionar-o-tratamento-da-esclerose-multipla/
    *Dr. Cícero Galli Coimbra
    PHD Médico Neurologista e Professor Livre-Docente

    Informações médicas sobre a prevenção e tratamento de doenças neurodegenerativas e autoimunes, como Parkinson, Alzheimer, Lupus, Psoríase, Vitiligo, depressão
    Dr. Cícero Galli Coimbra
    PHD Médico Neurologista e Professor Livre-Docente
    http://biodireitomedicina.wordpress.com/category/doencas-autoimunes/

    Sistema nervoso – 06/02/2009. Entrevista com Dr. Cícero Galli Coimbra. Evitar o envelhecimento e a perda de neuronios.
    http://www.youtube.com/watch?v=yRQkITHjZ5k&feature=player_embedded# —-

    “a situação fundamental é a mesma: a existência de um DISTÚRBIO METABÓLICO evidente e corrigível, capaz de explicar os eventos fisiopatológicos conhecidos, e cuja correção pode deter a progressão da doença (interrompendo a continuidade da morte neuronal crônica, recuperando células neuronais já afetadas pelo processo neurodegenerativo – mas que não atingiram ainda o ponto de irreversibilidade), promover a recuperação total em casos de início recente, ou ao menos parcial das deficiências neurológicas nos casos mais avançados (minimizando seqüelas permanentes) e impedir a morte.” [1]
    [1] Dr. Cícero Galli Coimbra
    PHD Médico Neurologista e Professor Livre-Docente
    Departamento de Neurologia e Neurocirurgia – Universidade Federal de São Paulo – Unifesp/EPM – Sofrimento emocional. – Em defesa da administração de doses elevadas de riboflavina associada à eliminação dos fatores desencadeantes no tratamento (…).

    Disponivel em
    http://www.unifesp.br/dneuro/nexp/riboflavina/
    —-
    Dr. Cícero Galli Coimbra
    PHD Médico Neurologista e Professor Livre-Docente
    http://biodireitomedicina.wordpress.com/category/doencas-autoimunes/
    —-

    Vitamin D: a natural inhibitor of multiple sclerosis From Colleen E. Hayes Department of Biochemistry, University of Wisconsin-Madison, 433 Babcock
    Disponivel em http://journals.cambridge.org/action/displayFulltext?type=1&fid=796912&jid=PNS&volumeId=59&issueId=04&aid=796900——

    Vitamin D: its role and uses in immunology
    HECTOR F. DELUCA2 and MARGHERITA T. CANTORNA*
    Department of Biochemistry, University of Wisconsin-Madison, Madison, Wisconsin 53706, USA; and
    * Department of Nutrition, Pennsylvania State University, University Park, Pennsylvania 16802, USA
    http://www.fasebj.org/cgi/content/full/15/14/2579 http://www.drtheo.com/vitaminD/documents/VitaminD-itsroleandusesinimmunology.pdf
    (The FASEB Journal. 2001;15:2579-2585.)
    —-

    High prevalence of vitamin D deficiency and reduced bone mass in multiple sclerosis
    http://www.huffingtonpost.com/dr-david-perlmutter-md/vitamin-d-benefits_b_818912.html
    High prevalence of vitamin D deficiency and reduced bone mass in multiple sclerosis
    J. Nieves, PhD,
    F. Cosman, MD,
    J. Herbert, MD,
    V. Shen, PhD and
    R. Lindsay, MD
    —-

    Vitamin D and the immune system: new perspectives on an old theme
    Endocrinol Metab Clin North Am. 2010 June; 39(2):
    365–379.
    Endocrinol Metab Clin North Am. Author manuscript; available in PMC 2011 June 1.Published in final edited form as:Endocrinol Metab Clin North Am. 2010 June; 39(2): 365–379. doi: 10.1016/j.ecl.2010.02.010

    Martin Hewison, PhD
    Martin Hewison, Professor in Residence, Department of Orthopaedic Surgery and Molecular Biology Institute, David Geffen School of Medicine at UCLA, 615 Charles E. Young Drive South, Los Angeles, CA 90095, USA;
    National Center for Biotechnology Information, U.S. National Library of Medicine 8600 Rockville Pike, Bethesda MD, 20894 USA
    http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2879394/?tool=pubmed
    —-

    Lack of Vitamin D Linked to Alzheimer’s and Vascular Dementia
    Friday, June 05, 2009 by: Sherry Baker, Health Sciences Editor
    Sherry Baker is a widely published writer whose work has appeared in Newsweek, Health, the Atlanta Journal and Constitution, Yoga Journal, Optometry, Atlanta, Arthritis Today, Natural Healing Newsletter, OMNI, UCLA’s “Healthy Years” newsletter, Mount Sinai School of Medicine’s “Focus on Health Aging” newsletter, the Cleveland Clinic’s “Men’s Health Advisor” newsletter and many others.
    Learn more: http://www.naturalnews.com/026392_Vitamin_D_Alzheimers_disease.html#ixzz3HnBD71Qg
    http://www.naturalnews.com/026392_Vitamin_D_Alzheimers_disease.html
    —-

    Factors in human vitamin D nutrition and in the production and cure of classical rickets Sítio canadense sobre e.m. DIRECT-MS
    Fatores nutricionais e suplementares relacionados à esclerose múltipla. http://www.direct-ms.org/
    —-

    “It is plausible that some 200 cases a year of MS might be prevented in Scotland alone by giving vitamin D to mothers and children,” he wrote.

    disponivel em http://www.timesonline.co.uk/tol/life_and_style/health/article5663483.ece-Vitamin D is ray of sunshine for multiple sclerosis patient
    —-

    Vitamin D in preventive medicine: are we ignoring the evidence? Vitamin D in preventive medicine: are we ignoring the evidence? A vitamina D em medicina preventiva: estamos ignorando as provas? Vitamina D em medicina preventiva: estamos ignorando as provas?
    Dispoível em
    http://64.233.163.132/translate_c?hl=pt-BR&langpair=en%7Cpt&u=http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12720576&prev=/translate_s%3Fhl%3Dpt-BR%26q%3DVitamina%2BD%2Be%2Bdepress%25C3%25A3o%26sl%3Dpt%26tl%3Den&rurl=translate.google.com.br&usg=ALkJrhjspQEBlxCMyClVGNWHjrZsYK2BOA
    Vitamin D supplementation: Recommendations for Canadian mothers and infants. A suplementação de vitamina D: Recomendações para as mães e bebês canadenses.. Paediatr Child Health. . Paediatr Child Health. 2007 Sep; 12(7):583-98. 2007 Sep; 12 (7) :583-98.[Paediatr Child Health. [Paediatr Child Health. 2007] 2007]

    Review Vitamin D and disease prevention with special reference to cardiovascular disease. Review vitamina D e prevenção de doenças, com especial referência à doença cardiovascular.Prog Biophys Mol Biol. Prog Biophys Mol Biol. 2006 Sep; 92(1):39-48. 2006 Sep; 92 (1) :39-48. Epub 2006 Feb 28. Epub 2006 Feb 28.[Prog Biophys Mol Biol. [Prog Biophys Mol Biol. 2006] 2006]

    Vitamin D in health and disease. Vitamina D na saúde e na doença.Clin J Am Soc Nephrol. Clin J Am Soc Nephrol. 2008 Sep; 3(5):1535-41. 2008 Sep; 3 (5) :1535-41. Epub 2008 Jun 4. Epub 2008 Jun 4.[Clin J Am Soc Nephrol. [Clin J Am Soc Nephrol. 2008] 2008]

    Review Sunlight and vitamin D for bone health and prevention of autoimmune diseases, cancers, and cardiovascular disease. Review Luz solar e vitamina D para a saúde óssea e prevenção de doenças auto-imunes, câncer e doenças cardiovasculares.Am J Clin Nutr. Am J Clin Nutr. 2004 Dec; 80(6 Suppl):1678S-88S. 2004 Dec; 80 (6 Suppl): 1678S-88S.[Am J Clin Nutr. [Am J Clin Nutr. 2004] 2004]
    —-

  5. […] Vitamin D deficiency: a global perspective https://objetodignidade.wordpress.com/2011/08/15/vitamin-d-deficiency-a-global-perspective/ […]

    Melhor prevenir do que remediar. Prevençao e Cura de doenças neurodegenerativas e autoimunitarias é real.
    https://objetodignidade.wordpress.com/2012/02/06/melhor-prevenir-do-que-remediar-prevencao-e-cura-de-doencas-neurodegenerativas-e-autoimunitarias-e-real/

    Prevençao e Cura de doenças neurodegenerativas e autoimunitarias, é cuidado de baixo custo. Trata-se da medicina preventiva. Este é o tratamento que os brasileiros precisam na saúde publica.
    https://objetodignidade.wordpress.com/2011/07/04/prevencao-e-cura-de-doencas-neurodegenerativas-e-autoimunitarias/

    Nos países eslavos, a população movimenta-se para que o governo forneça as vitaminas, especialmente a D. Nos EUA, os cientistas requerem ao governo – ver a Times -, a suplementação de vitamina D para assegurar a população do desenvolvimento de varias doenças, alem da esclerose múltipla, o cancro, as diabetes e outras doenças autoimunitarias. Custa mais caro, em termos de desperdício em recursos financeiros e humanos, deixar uma nação com altos índices de pessoas doentes, do que investir na Medicina Preventiva e oferecer uma dieta verdadeiramente saudável.

    Baixos índices de vitamina D no sangue estão diretamente associados ao estresse emocional ou sofrimento. Em casos de doenças auto-imunitárias, tais como a esclerose múltipla, artrite reumatoide, psoriase, hipertireoidismo, hipotireoidismo, lupus, vitiligo, por exemplo, existe deficiência de vitamina D confirmada em exames de sangue.

    Vitamina D.

    o “Comentário: a principal razão pela qual a medicina atual desdenha estes importantes conhecimentos médicos já antigos e com ampla fundamentação na história recente da medicina e confirmados em vários países, através de diversas publicações”

    o Informações médicas sobre a prevenção e tratamento de doenças neurodegenerativas e autoimunes, como Parkinson, Alzheimer, Lupus, Psoríase, Vitiligo, depressão~

    http://biodireitomedicina.wordpress.com/category/doencas-autoimunes/
    —-

    O que é possível dizer em breves palavras, já oferece um quadro preocupante. A insuficiência de vitamina D tem desenvolvido muitas doenças que já são aceitas como “comuns” e, no entanto, todas graves. Os médicos vêm apresentando pesquisa que aponta o aumento de epidemias em todo planeta, por causa da falta de investimento dos governos em saúde preventiva com suplementação da vitamina D.

    O aumento da Deficiência de vitamina D geralmente apresenta deformidade óssea (raquitismo) ou hipocalcemia na infância, e com dor músculo-esquelética e fraqueza em adultos.

    Muitos outros problemas de saúde, incluindo doenças cardiovasculares, diabetes tipo 2, vários tipos de câncer, e auto-imunes condições foram recentemente associados com insuficiência de vitamina D.

    O status da vitamina D é mais confiável determinada pelo ensaio de soro de 25-hidroxivitamina D (25-OHD).

    O espectro dessas doenças comuns é particularmente preocupante porque os estudos observacionais têm demonstrado que a insuficiência de vitamina D, Raquitismo em crianças e osteomalacia em adultos são as manifestações clássicas de deficiência de vitamina D profunda. Nos últimos anos, no entanto, aparecem doenças não músculo-esqueléticas condições incluindo câncer, síndrome metabólica, infecciosas e doenças autoimunes, esclerose múltipla também foram encontrados associados com baixos níveis de vitamina D. O Aumento da prevalência de distúrbios ligados à deficiência de vitamina D, é refletida no aumento do numero de crianças doentes.

    Epidemias crescem se não for dada nutrição adequada e suplementos á toda população. Este é o cuidado que o governo brasileiro deve ter com todas as pessoas, indistintamente, em todas as idades.

    Dilma e Lula não sabem disso, e desde 2008 favorecem pesquisas com células de embriões e abortos [ver Fim do Estado de direito, PNDH3].

    O PNDH-3 PREVE A LIBERAÇÃO DE CRIMES, fim do Estado de Direito
    https://objetodignidade.wordpress.com/2011/08/23/o-pndh-3-preve-a-liberacao-de-crimes-fim-do-estado-de-direito/

    Brasil é lanterna em investimento na saúde
    https://objetodignidade.wordpress.com/2011/08/05/brasil-e-lanterna-em-investimento-na-saude/

    Importancia da vitamina D e do metabolismo
    https://objetodignidade.wordpress.com/2012/02/29/importancia-da-vitamina-d-e-do-metabolismo/

    Essas doenças graves sequer teriam desenvolvido nas pessoas, se existisse o cuidado com a medicina preventiva com a suplementação da vitamina D.

    Os médicos vêm apresentando pesquisa que aponta o aumento de epidemias em todo planeta, por causa da falta de investimento dos governos em saúde preventiva com suplementação da vitamina D.

    Vitamin D deficiency: a global perspective https://objetodignidade.wordpress.com/2011/08/15/vitamin-d-deficiency-a-global-perspective/

    Deficiência de vitamina D: uma epidemia global
    https://objetodignidade.wordpress.com/2011/08/15/deficiencia-de-vitamina-d-uma-epidemia-global/

    Symposium: Vitamin D Insufficiency: A Significant Risk Factor in Chronic Diseases and Potential Disease-Specific Biomarkers of Vitamin D Sufficiency Vitamin D Intake: A Global Perspective of Current Status
    https://objetodignidade.wordpress.com/2011/08/15/symposium-vitamin-d-insufficiency-a-significant-risk-factor-in-chronic-diseases-and-potential-disease-specific-biomarkers-of-vitamin-d-sufficiency-vitamin-d-intake-a-global-perspective-of-current-s/

    Brasil ainda investe pouco em saúde País investe apenas 8,7% do valor arrecadado com impostos em saúde. Número é inferior ao de países como Argentina, Chile e Venezuela Um estudo realizado pela Fundação Instituto de Administração da Universidade de São Paulo (USP)
    https://objetodignidade.wordpress.com/2011/08/05/brasil-ainda-investe-pouco-em-saude

  6. […] Vitamin D deficiency: a global perspectivehttps://objetodignidade.wordpress.com/2011/08/15/vitamin-d-deficiency-a-global-perspective/ […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: