GOVERNO concentrada nas pessoas de Stalin e os membros de sua handpicked Politburo

Hoje, brasileiros estão a viver a tirania de um governo que corrompeu todas as instituições públicas e todos os poderes da União. Não existe, agora, nessas condições de partidarismo político ou de interesses economicos patrimoniais individualizado a comandar as funções públicas do Estado, democracia. Fim do Estado de Direito. Estado privatizado de Dilma. 

Em 1936, assim como o Grande Terror estava se intensificando, Stalin aprovou uma nova Constituição soviética para substituir a de 1924. Aclamado como “a Constituição mais democrática do mundo”, o documento estipulado 1936 eleições livres e secretas, baseada no sufrágio universal e garantido aos cidadãos uma série de direitos civis e econômicos. Mas na prática as liberdades implícitas por estes direitos foram negados por outras disposições da Constituição que indicou que a estrutura básica da sociedade soviética não podia ser mudado e que o partido manteve todo o poder político.
 
O poder do partido, por sua vez, agora foi concentrada nas pessoas de Stalin e os membros de sua handpicked Politburo.Como se para simbolizar a falta de influência do partido e classificação de arquivos, congressos do partido foram convocadas menos e com menor freqüência. O poder do Estado, longe de “definhamento” após a revolução como Karl Marx havia prescrito, em vez cresceu. Com Stalin conscientemente construir o que os críticos mais tarde descreveria como um culto à personalidade, a reverência concedido a ele na sociedade soviética gradualmente eclipsado que, dada a Lênin.

 

Mobilização da sociedade

Concomitante com a industrialização e da coletivização, a sociedade também experimentou ampla arregimentação. Empreendimentos coletivos substituído esforços individualistas através da placa. Não só o regime abolir fazendas particulares e empresas, mas coletivizada esforços científicos e literários também. Como a década de 1930 progrediu, a experimentação revolucionária, que tinha caracterizado muitas facetas da vida cultural e social deu lugar a normas conservadoras.
Considerações de ordem e disciplina dominada política social, que se tornou um instrumento do esforço de modernização. Trabalhadores ficaram sob os códigos de trabalho rigoroso exigindo pontualidade e disciplina, e os sindicatos serviram como extensões dos ministérios industrial. Ao mesmo tempo, maiores salários e privilégios obtidos por trabalhadores produtivos e brigadas de trabalho. Para proporcionar uma maior estabilidade social, o estado teve como objetivo fortalecer a família, restringindo o divórcio eo aborto abolir.
 
Literatura e das artes ficou sob controle direto do partido durante a década de 1930, com a adesão obrigatória em sindicatos de escritores, músicos e outros artistas que implica a adesão a padrões estabelecidos. Depois de 1934 o partido ditou que tinha trabalhos criativos para expressar o espírito socialista através de formas tradicionais. Esta doutrina sancionada oficialmente, chamado “realismo socialista”, aplicada a todos os campos da arte. As obras que foram reprimidos estado estilisticamente inovador ou não tinham conteúdo apropriado.
 
O partido também sujeitos a ciência e as artes liberais da sua análise. Desenvolvimento da teoria científica em vários campos tinham de ser baseada na compreensão do partido da dialética marxista, que descarrilou pesquisa séria em certas disciplinas. O partido teve um papel mais ativo na direção do trabalho nas ciências sociais. Na escrita da história, a interpretação marxista ortodoxo empregados no final de 1920 foi modificado para incluir temas nacionalistas e salientar o papel dos grandes líderes para criar legitimidade para a ditadura de Stalin.
 
Educação retornou às formas tradicionais como o partido descartou a programas experimentais de Lunacharskiy depois de 1929. Procedimentos de admissão sofreu modificações: os candidatos para o ensino superior agora foram selecionados com base em seus registros acadêmicos, em vez de suas origens de classe. Religião sofreu de uma política de estado de repressão aumentou, começando com o fechamento de numerosas igrejas em 1929. Perseguição do clero era particularmente grave durante os expurgos da década de 1930, quando muitos dos fiéis foram para a clandestinidade (ver A Igreja Ortodoxa Russa, cap. 4).

 

Política Externa, 1928-1939

Soviética política externa passou por uma série de mudanças durante a primeira década do regime de Stalin. Logo após assumir o controle do partido, Stalin supervisionou uma radicalização da política externa soviética que se assemelhavam a gravidade de sua reconstrução da política interna. Para aumentar a urgência de suas demandas de modernização-ção, Stalin retratou as potências ocidentais, especialmente a França, como belicistas ansioso para atacar a União Soviética. A Grande Depressão, que aparentemente ameaçava destruir o capitalismo mundial em 1930, desde justificativa ideológica para o auto-isolamento diplomático praticado pela União Soviética no período. Para ajudar o triunfo do comunismo, Stálin resolveu enfraquecer os moderados partidos social-democratas da Europa, que parecia ser rivais dos comunistas de apoio entre as classes trabalhadoras do mundo ocidental.
  

Por outro lado, o Comintern ordenou o Partido Comunista da Alemanha para ajudar o Partido anti-soviética Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães (Partido Nazista) em sua oferta pelo poder, na esperança de que um regime nazista iria exacerbar as tensões sociais e criar condições que levariam a uma revolução comunista na Alemanha. Na prossecução desta política, Stalin, assim, a responsabilidade compartilhada para a ascensão de Adolf Hitler ao poder em 1933 e suas trágicas consequências para a União Soviética e do resto do mundo. 
A dinâmica de relações externas Soviéticas mudou drasticamente após Stalin reconheceu o perigo representado pela Alemanha nazista. A partir de 1934 através de 1937, a União Soviética tentou conter o militarismo alemão através da construção de coalizões hostil ao fascismo. No movimento comunista internacional, o Comintern aprovou a “frente popular” política de cooperação com socialistas e liberais contra o fascismo, revertendo assim a sua linha de início dos anos 1930. Em 1934 a União Soviética se juntou a Liga das Nações, onde Maksim Litvinov, comissário soviético das Relações Exteriores, defendeu o desarmamento ea segurança coletiva contra a agressão fascista. Em 1935, a União Soviética formaram alianças militares defensivas com a França ea Checoslováquia, e 1936-1939 deu assistência aos antifascistas da Guerra Civil Espanhola. A ameaça do militarismo fascista à União Soviética aumentaram quando a Alemanha eo Japão (que já representava uma ameaça substancial para o Extremo Oriente soviético) assinaram o Pacto Anti-Comintern, em 1936. Mas o Ocidente não se mostrou disposto a contrariar o comportamento provocativo alemão, e depois da França e Grã-Bretanha aderiu às exigências de Hitler para o território da Checoslováquia em Munique, em 1938, Stalin abandonou seus esforços para forjar um acordo de segurança coletivo com o Ocidente.
Convencido de que o Ocidente não lutaria Hitler, Stalin decidiu chegar a um entendimento com a Alemanha.Sinalizando uma mudança na política externa, Vyacheslav Molotov, fiel assistente de Stalin, substituiu Litvinov, que era judeu, como comissário das Relações Exteriores maio 1939. Hitler, que decidiu atacar a Polônia, apesar das garantias da Grã-Bretanha e França para defender o país, logo respondeu à postura mudou Soviética. Enquanto a Grã-Bretanha e França dilatorily tentaram induzir a União Soviética para se juntar a eles em comprometendo-se a proteger a Polônia, a União Soviética ea Alemanha envolvido em intensas negociações. O produto das conversações entre o ex-inimigos ideológicos – o Pacto Nazi-Soviético de Não Agressão (também conhecido como o Pacto Molotov-Ribbentrop) de 23 de agosto de 1939 – chocou o mundo.As disposições do acordo de livre prometeu neutralidade absoluta, no caso uma das partes deve se envolver na guerra, enquanto um protocolo secreto particionado Polônia entre as partes e território romeno atribuído, bem como a Estónia ea Letónia (e mais tarde Lituânia) para a esfera soviética de influência. Com seu flanco oriental, assim, garantido, Hitler começou a invasão alemã da Polónia em 1 de setembro de 1939; Grã-Bretanha ea França declararam guerra à Alemanha dois dias depois. Segunda Guerra Mundial tinha começado.

 

http://translate.google.com.br/translate?hl=pt-BR&langpair=en%7Cpt&u=http://countrystudies.us/russia/10.htm

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: