Baby Parts for Sale. Recent Articles on Fetal Harvesting

August 22, 1999

The Wholesalers 

A Division of Consultative and Diagnostic Pathology, Inc., a wholesale trafficker in aborted baby parts from American clinics.

Out of an office in West Frankfort, IL, the company’s director, Dr. Miles Jones, profits from an evidently tremendously lucrative trade – his current “Fee for Services Schedule” offers eyes and ears for $75 to $999 for a brain. 

Opening Lines was founded in 1989 to “maximize the utilization of fresh fetal tissue we process.” It offer researchers “the highest quality, most affordable, and freshest tissue prepared to your specifications and delivered in the quantities you need when you need it.” 

Sale of human tissue, including fetal tissue, is against federal law, but Opening Lines advises patients how “simple” it is to get around that. It offers to “lease space from your facility to perform the harvesting to offset your clinic’s overhead.” It also offers to train clinic staff in harvesting and then “based on volume, reimburse part or all of your employee’s salary, thereby reducing your overhead.”  

Dr. Jones is obviously adept at getting around inconvenient regulations. “We DO NOT require a copy of your IRB approval or summary of your research,” he advises prospective clientele, “and you ARE NOT required to site Opening Lines as the source of tissue when you publish your work (we believe in word of mouth advertising; if you like our service you will tell your colleagues.”) 

Opening Lines is one of two wholesale traffickers, uncovered by Mark Crutcher at Life Dynamics Inc. a pro-life in Denton Texas. The other is the Anatomic Gift Foundation (AGF). Founded in 1994 by Jim and Brenda Bardsley, it originally operated out of a double-wide trailer at the end of a dirt road on the Satilla River in Georgia where the couple also ran a catfish farm. It has since moved its headquarters to Laurel, MD and now has operations in Phoenix, AZ and Aurora, CO. 

Life Dynamics’ sources inside abortion clinics acquired “fee schedules” for both organizations. Opening Lines’ is the more detailed of the two, listing prices for organs from fetuses under eight weeks gestation and over. An “intact trunk (with/without limbs)” costs $500, for example, a liver, $150, (“30% discount if significantly fragmented”). 

The prices “in effect until December 31, 1999” may seem low, observes Mr. Crutcher, but add up all the parts and single aborted baby is worth thousands. “Our daily average case volume exceeds 1500 and we serve clinics across the United States,” says Opening Lines’ brochure. 

Mr. Crutcher says that Dr. Jones is an aggressive salesman, eager to offer him reduced rates for bulk orders.

He also said in a recent taped interview that he is actively pursuing fetal tissue sources in Mexico and in Canada. 

-C.M. 

***************************************************
The material contained in this file is made
available courtesy contributors and editors of

 

 

Você já se perguntou o que as clínicas de aborto fazem  dos bebês abortados? Você já se perguntou como essas clínicas ganham  dinheiro extra? Você já se perguntou por que pró-abortistas insistem em manter o procedimento de aborto de nascimento parcial legal?

 

 

Ever wonder what abortion clinics do with aborted babies?  Ever wonder how the clinics make extra money?  Ever wonder why pro-abortionists insist on keeping the Partial-birth abortion procedure legal? 

Fetal Harvesting

 

Você já se perguntou o que fazer com as clínicas de aborto bebês abortados? Você já se perguntou como as clínicas de ganhar dinheiro extra? Você já se perguntou por que pró-abortistas insistem em manter o procedimento de aborto de nascimento parcial legal?


Colheita Fetal

Pela primeira vez, ouvir um informante revela como os bebês (às vezes ao vivo) são colhidas a partir de clínicas de aborto para revenda. Cortesia da dinâmica da vida.

Parte # 1 Um informante (disfarçado), descreve como ela (e outros na empresa trabalhou para) reuniram-se tecido fetal em clínicas de aborto para revenda posterior às empresas farmacêuticas.

Parte # 2 Descreve como ela foi apresentada com muitos fetos vivos, incluindo um par de gêmeos, falta de ar. O médico exclamou “Apanhei-te alguns bons exemplares – gêmeos” O médico então afogou-los. Outras vezes, os médicos deveriam quebrar o pescoço ou bater o feto até a morte com um par de pinças.

Part # 3 descreve como uma mulher sofrendo “de dois dias” abortos iria entrar em trabalho de parto e parto do bebê ao vivo – e o aborto deixaria os bebês sem assistência médica para morrer lentamente. Descreve como os abortistas consistentemente desencorajaram as mulheres a tentativa de manter seus filhos (se eles mudaram de idéia), forçando-os a ter um aborto após a administração de mais sedação. Também informa quantas abortistas faça avanços sexuais a pacientes.

Artigos recentes sobre colheita Fetal
Julho 1999

Peças do bebê à venda
Um lote de olhos pela UPS – 30 fígados por FedEx

Por J. C. Willke, MD

Depois de lutar contra o aborto há 30 anos eu pensei que tinha visto e ouvido tudo, mas não é assim. Aqui é um novo desenvolvimento, um funcionamento coordenado à indústria de alta tecnologia para a finalidade específica de obtenção e venda de alta qualidade órgãos fetais para a pesquisa.

Partial-Birth abortos parecia ser tão horrível que a maioria de nós se perguntou como tais procedimentos poderiam ser defendidos. Muitos de nós chalked-lo para o fato de que os defensores pró-aborto e da indústria do aborto não quis dar um centímetro por medo de que sua casa inteira de cartões irá dobrar. Eu, entre outros, sentiu que a sua resistência ao proibir este procedimento horrível era o medo de um efeito dominó. Se parássemos um presente, então parava o próximo eo próximo eo próximo e não quer que ele inicie. Mas agora temos evidência de uma razão muito clara adicional por que eles querem esses abortos tardios para continuar. A razão é que este é o método que lhes dá uma intactas corpos fetais a partir da qual eles podem obter órgãos para investigação.

O outro método de tarde-termo aborto, D & E (dilatação e evacuação), envolve chegando até o útero e desmembrar o bebê vivo. Isto proporciona pedaços de órgãos macerados que são geralmente inadequadas para pesquisa fetal, transplante etc Esta pode ser a principal razão para a sua defesa veemente da prática do aborto de nascimento parcial.

A história foi quebrado recentemente pela dinâmica da vida sob a orientação de seu diretor, Mark Crutcher. Uma senhora veio a ele com uma história, que ele tenha verificado. O nome do informante não pode ser revelado, como ela ainda está envolvido no trabalho que ela expôs. Sua história é dramaticamente gravado em um vídeo recém-lançado pela dinâmica da vida. Nela, esta mulher sob o pseudônimo de Kelly, conta sua história. Sua volta é para a câmera e sua voz é eletronicamente alterado para evitar sua identificação. Ela trabalhou para “uma fonte externa, contratada com uma equipe para ir em [a final clínicas de aborto prazo] para dissecar e adquirir tecido fetal de alta qualidade de vendas.” Leia sobre como Kelly descreve sua profissão macabra. “O que fizemos foi ter um contrato com uma clínica de aborto que nos permitiria
lá em determinados dias. Gostaríamos de obter uma lista gerada a cada dia para nos dizer o que os pesquisadores de tecido, as empresas farmacêuticas e universidades estavam procurando. Então poderíamos examinar os prontuários dos pacientes. Gostaríamos de filtrar os que não querem.

Nós não utilizar espécimes que tiveram DSTs [doenças sexualmente transmissíveis] ou anormalidades fetais. Só queria que os espécimes mais perfeitos que nós poderíamos dar aos pesquisadores. “E a idade destes bebês? As vítimas foram até e mais de 30 semanas de gestação.” Nós estávamos procurando olhos, fígado, cérebro, timo [tecido linfóide ], cardíaco
sangue, sangue do cordão de sangue, a partir do fígado, mesmo sangue dos membros. ”

Somente um 2% estimado dos bebês abortados tardios tinham anormalidades. “O resto foi muito saudável. De 95% do tempo, ela estava ali apenas para se livrar do bebê.” Como muitos dos tardios – os cerca de 30 semanas – que você veria? “Provavelmente 30 ou 40 bebês por semana.”

Kelly afirmou: “Gostaríamos de vender o tecido a empreiteiros privados. Eles, por sua vez iria vender para outras universidades e pesquisadores. Houve uma grande demanda a cada semana para comprar esses tecidos fetais. Foi enviado por UPS, FedEx, Airborne e às vezes por especial correios. Às vezes, nós levaria a amostra em uma caixa para o aeroporto e colocá-lo em como carga regular, para ser pego no destino. ” E que essas empresas de navegação sabe que eles estavam transportando peças de bebê? “Não. Tudo o que sabiam era que era apenas células humanas. Mas poderia ser um feto completamente intacto. Pode ser um lote de olhos, ou 30 ou 40 fígados de sair naquele dia, ou timo

E as peças remanescentes? “Nós normalmente seria colocar isso no triturador juntamente com a placenta e sangue o material restante. Se ele era muito grande para ir pelo ralo, eles tiveram um freezer especial e quando acumulado 60 ou 70 fetos em uma caixa, que seria ser pego para incineração. ”

E então a pergunta óbvia. Kelly ainda está trabalhando para essa empresa, então por que ela veio e contar esta história para um grupo pró-vida? Um dia, quando ela estava trabalhando, “Um par de gêmeos com 24 semanas de gestação foi trazido para nós em uma panela. Eles estavam vivos. O médico voltou e disse: ‘Apanhei-te alguns bons exemplares, gêmeos. Olhei para ele e disse:
`Há algo errado aqui. Eles estão se movendo. Eu não faço isso. Isso não está no meu contrato. ” Eu lhe disse que não seria parte de tirar suas vidas. Então ele pegou uma garrafa de água estéril e derramou-o na panela até que o líquido veio acima sobre suas bocas e narizes, deixando-se afogar. Saí do quarto porque eu não conseguia ver isso. “Mas ela voltar e dissecá-los depois que eles foram mortos. Ela disse:” Foi quando eu decidi que era errado. Eu não quero estar lá quando isso aconteceu. “E então aconteceu uma e outra vez.” Às 16 semanas, todo o caminho até às vezes até 30 semanas, e tivemos nascidos vivos voltam para nós. “E então?” Em seguida, o médico quer quebrar o pescoço ou levar um par de pinças e bata até que o feto estava morto. ”

Será que o aborto nunca altera os procedimentos para obter o tipo de amostras que você precisava naquele dia? Sua resposta foi “Sim, antes dos procedimentos que eles gostariam de ver a lista do que queria obter. O [aborto] não nos levaria a dos mais completos, os dentes intactos que podia. Eles seriam entregues a nós completamente intacto. Às vezes o feto parecia estar morto, mas quando abriu a cavidade torácica, o coração ainda estava batendo. ” Ela foi perguntado se o tipo de procedimento de aborto foi intencionalmente alterados para lhe entregar um exemplar intacto, mesmo que isso significasse dar-lhe um bebê vivo? Sua resposta foi: “Sim, foi assim que nós poderíamos vender melhor o tecido, para que a nossa empresa iria ganhar mais dinheiro. No final do ano, eles dariam a clínica de volta mais dinheiro, porque temos bons exemplares.”

O procedimento de aborto de nascimento parcial envolve laminaria algas inserir no colo. Isso incha, dilatação do colo uterino. Em 24 horas, de novo Laminaria são inseridos. Isso produz mais inchaço e dilatação de modo que no terceiro dia, o bebê pode ser extraído. Durante o procedimento de dilatação, ela é enviada para um motel nas proximidades. Às vezes, o laminaria cairia para fora e ela iria entrar em trabalho de parto e entregar o bebê. E depois? “Eles chamam a enfermeira ea enfermeira iria chamar o médico que iria para o quarto de motel e pegar a mulher eo feto. Foi quando eles nos chamam e dizem: ‘Ok, nós temos um par de espécimes aqui ‘, ou’ Nós temos um espécime. ” Gostaríamos de ir [à clínica] e da amostra [o bebê] seria em um balde, às vezes vivo. Quando abrimos a caixa torácica o coração ainda estaria batendo. Às vezes a gente podia ver o movimento no balde. Estes bebês tiveram que sair vivo. Não há nenhuma maneira para eles vir a falecer. Eles estavam todos vivos. Como eles mataram ninguém sabe. Meu palpite é que eles tiveram que matá-los no balde ou colocá-los em um canto e deixá-los morrer lentamente. ” E isso foi porque o aborto tinha visto o quão forte você reagiu a vê-los mortos na frente de você? “Isso é correto. E ele não queria repetir esses casos, mas eles continuaram acontecendo de qualquer maneira, e é assim que eu vim chamar vocês [Life Dynamics].”

Finalmente, Kelly relatou como às vezes uma mulher, no meio do procedimento de dilatação, mudaria sua mente e diz que ela não queria o aborto. Nesse caso, eles iriam dizer a ela que agora é tarde demais. “Você vai fazer o aborto.” Kelly disse: “Todos os funcionários se reuniam em torno pressionando-a a fazer o aborto. No segundo dia, lhes é dada uma sedação IV, que tipo de coloca-los no que eu chamo de um cochilo Nyquil. Eles são, basicamente, sonolento , não pensar por si mesmo e isso é basicamente como eles são coagidos a continuar o procedimento. ”

Finalmente, na entrevista, ela observa que muitos dos funcionários das clínicas eram lésbicas. Quando a mãe estava inconsciente dessas mulheres seria discutir a sua genitália com comentários degradantes e por vezes até mesmo levar o número de telefone fora do seu gráfico. Então eles “chamam as semanas na estrada e pedir-lhe para sair. Não era incomum para mulheres ou homens na clínica para bater sobre essas mulheres para as datas.”

Agora sabemos por que

Agora sabemos que uma das principais razões pelas quais a indústria do aborto está lutando tão intensamente para evitar a proibição de aborto de nascimento parcial de ser promulgada. É mais do que não dar qualquer fundamento sobre o aborto por qualquer motivo. É também porque a venda de peças fetais é uma parte muito lucrativa do negócio do aborto. Essas mães pagar grandes somas de dinheiro para abortos tardios e os abortistas, por sua vez recebem muito dinheiro para esses órgãos intactos. Os espécimes modelo tem que ser: o maior – o melhor, o mais velho – o melhor, o mais vivo – o melhor.

O diálogo acima é de um vídeo que foi produzido pela dinâmica da vida. Se algum dos nossos leitores gostaria de uma cópia gratuita desta entrevista, enquanto as quantidades passado, não hesite em contactar-nos e nós lhe enviaremos uma cópia. Envie seu pedido para: questões da vida do Instituto, 1721 W. Galbraith Rd, Cincinnati, OH 45239. Telefone (513) 729-3600. Fax (513) 729-3636. E-mail lifeissues@aol.com
22 de agosto de 1999

Os atacadistas

A full-color brochura, brilhante convida aborto para “descobrir como você pode transformar a sua decisão do paciente em algo maravilhoso.” Está impresso por linhas de abertura, uma Divisão de Patologia e Diagnóstico Consultivo, Inc., uma traficante de atacado em partes do bebê abortado de clínicas americanas. Fora de um escritório em West Frankfort, IL, diretor da empresa, Dr. Miles Jones, os lucros de um comércio, evidentemente, tremendamente lucrativa – o seu “Taxa de Serviços Schedule” atual oferece olhos e ouvidos para US $ 75 a US $ 999 por um cérebro.

Linhas de abertura foi fundada em 1989, para “maximizar a utilização de tecido fetal fresco que nós processar.” Ele oferece aos investigadores “da mais alta qualidade, mais acessível, mais fresco e tecido preparado com suas especificações e entregues nas quantidades que você precisa quando você precisar dele.”

Venda de tecidos humanos, incluindo o tecido fetal, é contra a lei federal, mas as linhas de abertura aconselha os pacientes como “simples” é para contornar isso. Ele oferece a “alugar o espaço a partir de sua instalação para realizar a colheita, para compensar a sobrecarga a sua clínica.” Também oferece para treinar a equipe da clínica na colheita e, em seguida, “com base em volume, reembolsar parte ou a totalidade do salário do seu empregado, reduzindo suas despesas gerais.”

Dr. Jones é, obviamente, hábeis em contornar os regulamentos inconvenientes. “Nós não exigem uma cópia de sua aprovação IRB ou resumo de sua pesquisa”, aconselha clientela em potencial, “e você não é obrigado a linhas de abertura do site como fonte de tecido quando você publicar seu trabalho (acreditamos no boca a boca publicidade, se você gosta de nosso serviço que você vai dizer a seus colegas “).

Linhas de abertura é um dos dois traficantes no atacado, descoberto por Mark Crutcher na vida Dynamics Inc., uma pró-vida em Denton Texas. A outra é a Anatomic Presente Foundation (AGF). Fundada em 1994 por Jim e Bardsley Brenda, que inicialmente funcionava em um trailer de largura dupla no final de uma estrada de terra no Rio Satilla na Geórgia, onde o casal também administrou uma fazenda bagre. Desde então, mudou sua sede para Laurel, MD e possui operações em Phoenix, AZ e Aurora, CO

Fontes dinâmica da vida dentro de clínicas de aborto adquiridos “tabelas de preços” para ambas as organizações. Abertura de linhas ‘é a mais detalhada dos dois, enumerando preços para órgãos de fetos sob oito semanas de gestação e de novo. Um “tronco intacto (com / sem membros)” custa US $ 500, por exemplo, um fígado, US $ 150, (“30% de desconto se significativamente fragmentada”).

“Os preços em vigor até 31 de dezembro de 1999” pode parecer baixo, observa o Sr. Crutcher, mas somar todas as peças e bebê abortado único vale milhares. “Nosso volume de caso médio diário certificado exceder 1500 e servimos clínicas nos Estados Unidos”, diz o folheto linhas de abertura “.

Sr. Crutcher diz que Dr. Jones é um vendedor agressivo, ansioso para lhe oferecer taxas reduzidas para grandes encomendas. Ele também disse em uma recente entrevista gravada que ele está buscando ativamente fontes de tecido fetal no México e no Canadá.

-C.M.

************************************************** *
O material contido neste arquivo é feita
disponíveis colaboradores e editores de cortesia


***************************************************
The material contained in this file is made
available courtesy contributors and editors of
Pro-Life E-News.

http://www.abortiontv.com/Misc/BabyPartsForSale.htm

 

Ever wonder what abortion clinics do with aborted babies?  Ever wonder how the clinics make extra money?  Ever wonder why pro-abortionists insist on keeping the Partial-birth abortion procedure legal? 

Fetal Harvesting

 

For the first time, hear an informant reveal how babies (sometimes live) are harvested from abortion clinics for resale. Courtesy of Life Dynamics.

 

 

Part #1 An informant (in disguise), describes how she (and others at the company she worked for) gathered fetal tissue at abortion clinics for later resale to pharmaceutical companies.

 

Part #2 Describes how she’s been presented with many live fetuses including a set of twins, gasping for air. The doctor exclaimed “Got you some good specimens – twins!”  The doctor then drowned them. Other times, doctors would break the neck or beat the fetus to death with a pair of tongs.

 

Part #3 Describes how some woman undergoing “two-day” abortions would go into labor and deliver a live baby – and the abortionist would leave the babies without medical care to die slowly.  Describes how abortionists consistently discouraged women from trying to keep their babies (if they changed their minds) by forcing them into having an abortion after administering more sedation. Also tells how many abortionists make sexual advances to patients.

 

 

Recent Articles on Fetal Harvesting

July 1999

 

Baby Parts for Sale

A batch of eyes by UPS – 30 livers by FedEx

 

By J. C. Willke, MD

 

After fighting abortion for 30 years I thought I had seen and heard it all, but not so. Here is a new development, a coordinated high-tech industry functioning for the specific purpose of obtaining and selling high-quality fetal organs for research.

 

Partial-Birth abortions seemed to be so horrible that most of us wondered how such procedures could be defended. Many of us chalked it up to the fact that the pro-abortion advocates and the abortion industry didn’t want to give one inch for fear that their whole house of cards will fold. I, among others, felt that their resistance to forbidding this gruesome procedure was a fear of a domino effect. If we stopped this one, then we’d stop the next and the next and the next and they didn’t want it to start. But now we have evidence of a very clear additional reason why they want these late-term abortions to continue. The reason is that this is the one method that gives them intact fetal bodies from which they can obtain organs for research.

 

The other method of late-term abortion, D&E (Dilatation and Evacuation), involves reaching up into the uterus and dismembering the live baby. This delivers pieces of macerated organs that are usually unsuitable for fetal research, transplantation etc. This may be the main reason for their vehement defense of the practice of Partial-Birth abortion.

 

The story was broken recently by Life Dynamics under the guidance of its director, Mark Crutcher. A lady came to him with a story, which he has verified. The name of the informant cannot be revealed, as she is still involved in the work that she has exposed. Her story is dramatically recorded in a video just released by Life Dynamics. In it, this woman under the pseudonym, Kelly, tells her story. Her back is to the camera and her voice is electronically altered to prevent her identification. She worked for “an outside source, hired with a team to go in [to late term abortion clinics] to dissect and procure fetal tissue for high-quality sales.” Read on as Kelly describes her macabre profession. “What we did was to have a contract with an abortion clinic that would allow us to

go there on certain days. We would get a generated list each day to tell us what tissue researchers, pharmaceutical companies and universities were looking for. Then we would examine the patient charts. We would screen out the ones we didn’t want.

 

We did not use specimens that had STDs [sexually transmitted diseases] or fetal abnormalities.  We only wanted the most perfect specimens that we could give to the researchers.” And the age of these babies? The victims were up to and over 30-weeks gestation. “We were looking for eyes, livers, brains, thymuses [lymphoid tissue], cardiac

blood, cord blood, blood from the liver, even blood from the limbs.”

 

Only an estimated 2% of the late-term aborted babies had abnormalities. “The rest were very healthy. 95% of the time, she was just there to get rid of the baby.” How many of the late-term – the ones around 30 weeks – would you see? “Probably 30 or 40 babies a week.”

 

Kelly stated, “We would sell the tissue to private contractors. They in turn would sell to other universities and researchers. There was a high demand every week to buy such fetal tissues. It was shipped by UPS, FedEx, Airborne and sometimes by special couriers. Sometimes we would take the specimen in a box to the airport and put it on as regular cargo, to be picked up at the destination.” And did these shipping companies know they were transporting baby parts? “No. All they knew was that it was just human cells. But it could be a completely intact fetus. It might be a batch of eyes, or 30 or 40 livers going out that day, or thymuses

 

And the leftover parts? “We would usually put this down the garbage disposal along with the placenta and the leftover blood material. If it was too large to go down the drain, they had a special freezer and when they accumulated 60 or 70 fetuses in one box, it would be picked up for incineration.”

 

And then the obvious question. Kelly is still working for this company, so why did she come and tell this story to a pro-life group? One day when she was working, “A set of twins at 24 weeks gestation was brought to us in a pan. They were both alive. The doctor came back and said, `Got you some good specimens, twins.’ I looked at him and said,

`There’s something wrong here. They are moving. I don’t do this. This is not in my contract.’  I told him I would not be part of taking their lives. So he took a bottle of sterile water and poured it in the pan until the fluid came up over their mouths and noses, letting them drown.  I left the room because I could not watch this.” But she did go back and dissect them after they were dead. She said, “That’s when I decided it was wrong. I did not want to be there when that happened.” And then it happened again and again. “At 16 weeks, all the way up to sometimes even 30 weeks, and we had live births come back to us.” And then?  “Then the doctor would either break the neck or take a pair of tongs and beat the fetus until it was dead.”

 

Did the abortionist ever alter the procedures to get you the type of specimens you needed that day? Her answer was “Yes, before the procedures they would want to see the list of what we wanted to procure. The [abortionist] would get us the most complete, intact specimens that he could. They would be delivered to us completely intact. Sometimes the fetus appeared to be dead, but when we opened up the chest cavity, the heart was still beating.” She was asked if the type of abortion procedure was intentionally altered to deliver to you an intact specimen, even if that meant giving you a live baby? Her answer was, “Yes, that was so we could sell better tissue, so that our company would make more money. At the end of the year, they would give the clinic back more money because we got good specimens.”

 

The Partial-Birth abortion procedure involves inserting seaweed laminaria into the cervix. This swells up, dilating the cervix.  In 24 hours, new laminaria are inserted. This produces more swelling and dilatation so that by the third day the baby can be extracted. During the dilatation procedure she is sent to a nearby motel. Sometimes the laminaria would fall out and she would go into labor and deliver the baby. And then? “They would call the nurse, and the nurse would call the doctor who would go to the motel room and pick up the woman and the fetus.  That’s when they would call us and say, `Okay, we’ve got a couple of specimens here,’ or `We’ve got one specimen.’ We would go [to the clinic] and the specimen [the baby] would be in a bucket, sometimes alive. When we opened the chest cavity the heart would still be beating.  Sometimes we could see movement in the bucket. These babies had to come out alive. There’s no way for them to be coming out dead. They were all alive. How they killed them is anyone’s guess. My guess is that they had to kill them in the bucket or put them in a corner and let them die slowly.” And that was because the abortionist had seen how strongly you reacted to seeing them killed in front of you? “That’s correct. And he did not want to repeat those instances but they kept happening anyway, and that’s how I came to call you guys [Life Dynamics].”

 

Finally, Kelly related how sometimes a woman, halfway through the dilatation procedure, would change her mind and say she did not want the abortion. In such a case they would tell her that it’s too late now. “You’re going to have the abortion.” Kelly said, “All of the staff would gather around pressuring her to have the abortion. On the second day, they’re given an IV sedation, which kind of puts them into what I call a Nyquil nap. They’re just basically drowsy, not thinking for themselves and that’s basically how they are coerced into continuing the procedure.”

 

Finally, in the interview, she notes that many of the employees of the clinics were lesbians. When the mother was unconscious these women would discuss her genitalia with degrading remarks and on occasion even take the phone number off of her chart. Then they would “call her weeks down the road and ask her out for a date. It was not uncommon for women or men at the clinic to hit on these women for dates.”

 

Now We Know Why

 

Now we know one of the major reasons why the abortion industry is fighting so intensely to prevent a ban on Partial-Birth abortion from being enacted. It’s more than not giving any ground on abortion for any reason. It’s also because selling fetal parts is a very lucrative part of the abortion business. These mothers pay large sums of money for late-term abortions and the abortionists in turn are given big money for these intact organs. The model specimens have to be: the bigger – the better; the older – the better; the more alive – the better.

 

The above dialogue is from a video that has been produced by Life Dynamics. If any of our readers would like a free copy of this interview, while quantities last, feel free to contact us and we will send you a copy. Send your request to: Life Issues Institute, 1721 W. Galbraith Rd, Cincinnati, OH 45239. Phone (513) 729-3600. Fax (513) 729-3636. E-mail lifeissues@aol.com 

August 22, 1999

 

The Wholesalers 

 

A full-color, glossy brochure invites abortionists to “find out how you can turn your patient’s decision into something wonderful.” It’s printed by Opening Lines, A Division of Consultative and Diagnostic Pathology, Inc., a wholesale trafficker in aborted baby parts from American clinics. Out of an office in West Frankfort, IL, the company’s director, Dr. Miles Jones, profits from an evidently tremendously lucrative trade – his current “Fee for Services Schedule” offers eyes and ears for $75 to $999 for a brain. 

 

Opening Lines was founded in 1989 to “maximize the utilization of fresh fetal tissue we process.” It offer researchers “the highest quality, most affordable, and freshest tissue prepared to your specifications and delivered in the quantities you need when you need it.” 

 

Sale of human tissue, including fetal tissue, is against federal law, but Opening Lines advises patients how “simple” it is to get around that. It offers to “lease space from your facility to perform the harvesting to offset your clinic’s overhead.” It also offers to train clinic staff in harvesting and then “based on volume, reimburse part or all of your employee’s salary, thereby reducing your overhead.”  

 

Dr. Jones is obviously adept at getting around inconvenient regulations. “We DO NOT require a copy of your IRB approval or summary of your research,” he advises prospective clientele, “and you ARE NOT required to site Opening Lines as the source of tissue when you publish your work (we believe in word of mouth advertising; if you like our service you will tell your colleagues.”) 

 

Opening Lines is one of two wholesale traffickers, uncovered by Mark Crutcher at Life Dynamics Inc. a pro-life in Denton Texas. The other is the Anatomic Gift Foundation (AGF). Founded in 1994 by Jim and Brenda Bardsley, it originally operated out of a double-wide trailer at the end of a dirt road on the Satilla River in Georgia where the couple also ran a catfish farm. It has since moved its headquarters to Laurel, MD and now has operations in Phoenix, AZ and Aurora, CO. 

 

Life Dynamics’ sources inside abortion clinics acquired “fee schedules” for both organizations. Opening Lines’ is the more detailed of the two, listing prices for organs from fetuses under eight weeks gestation and over. An “intact trunk (with/without limbs)” costs $500, for example, a liver, $150, (“30% discount if significantly fragmented”). 

 

The prices “in effect until December 31, 1999” may seem low, observes Mr. Crutcher, but add up all the parts and single aborted baby is worth thousands. “Our daily average case volume exceeds 1500 and we serve clinics across the United States,” says Opening Lines’ brochure. 

 

Mr. Crutcher says that Dr. Jones is an aggressive salesman, eager to offer him reduced rates for bulk orders. He also said in a recent taped interview that he is actively pursuing fetal tissue sources in Mexico and in Canada. 

 

-C.M. 

 

***************************************************

The material contained in this file is made

available courtesy contributors and editors of

 http://suewidemark.com/fetalparts.htm

 

 

 

Uma resposta

  1. […] https://objetodignidade.wordpress.com/2012/03/20/baby-parts-for-sale-recent-articles-on-fetal-harvest… […]

    Você já se perguntou o que as clínicas de aborto fazem dos bebês abortados?

    Você já se perguntou como essas clínicas ganham dinheiro extra? Você já se perguntou por que pró-abortistas insistem em manter o procedimento de aborto de nascimento parcial legal?

    Ever wonder what abortion clinics do with aborted babies? Ever wonder how the clinics make extra money? Ever wonder why pro-abortionists insist on keeping the Partial-birth abortion procedure legal?
    Fetal Harvesting

    ABORTO: DINHEIRO DE SANGUE. POR QUE SUA “LEGALIZAÇÃO” É TÃO IMPORTANTE NO BRASIL?

    06/11/2010 — Celso Galli Coimbra

    http://biodireitomedicina.wordpress.com/2010/11/06/aborto-dinheiro-de-sangue-por-que-sua-legalizacao-e-tao-importante-no-brasil/#comment-1127

    COLHEITA FETAL

    Sign Up for Free Pro-Life News From LifeNews.com

    http://www.lifenews.com/2010/05/20/state-5108/

    ABORTION IN U.S. A $1 BILLION INDUSTRY: STUDY

    May 4th, 2010

    By Rick DelVecchio

    Abortion in the United States has become a $1 billion-a-year industry quietly fostered over 40 years by a climate that is allowing related, morally suspect commercial offshoots to develop in pharmaceuticals, cosmetics and life sciences, a new study alleges.

    Pela primeira vez, ouvir um informante revela como os bebês (às vezes ao vivo) são colhidas a partir de clínicas de aborto para revenda. Cortesia da dinâmica da vida.

    Você já se perguntou o que as clínicas de aborto fazem dos bebês abortados? Você já se perguntou como essas clínicas ganham dinheiro extra? Você já se perguntou por que pró-abortistas insistem em manter o procedimento de aborto de nascimento parcial legal?Artigos recentes sobre colheita Fetal
    Julho 1999

    PEÇAS DO BEBÊ À VENDA

    Um lote de olhos pela UPS – 30 fígados por FedEx

    Por J. C. Willke, MD

    Depois de lutar contra o aborto há 30 anos eu pensei que tinha visto e ouvido tudo, mas não é assim.

    https://objetodignidade.wordpress.com/2012/03/20/baby-parts-for-sale-recent-articles-on-fetal-harvesting/

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: